‘Luanda Leaks’. CMVM fez seis comunicações à PJ e não descarta possibilidade de mais

“Estamos a fechar estes trabalhos com nove auditores analisados, em 27 entidades auditoras analisadas”, explicou Gabriela Figueiredo Dias aos jornalistas. “Foram enviados 12 processos para apreciação contraordenacional, relativamente a um auditor e há mais dois que estão em análise relativemente a outros auditores”

Gabriela Figueiredo Dias, presidente do Conselho de Administração da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários | Foto de Cristina Bernardo

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) fez seis comunicações à Unidade de Investigação Financeira (UIF) da Polícia Judiciária no âmbito do caso ‘Luanda Leaks’, informou esta sexta-feira a presidente da instituição, Gabriela Figueiredo Dias, adiantando que não está descartada a possibilidade da fazer mais, pois a investigação vai prosseguir até fevereiro.

“Estamos a fechar estes trabalhos com nove auditores analisados, em 27 entidades auditoras analisadas”, explicou Figueiredo Dias aos jornalistas. “Foram enviados 12 processos para apreciação contraordenacional, relativamente a um auditor e há mais dois que estão em análise relativemente a outros auditores”

“Houve seis comunicações ao Unidade de Investigação Financeira, o que não significa que não venha haver outras, pois estamos ainda a terminar este trabalho”, sublinhou.

Os principais incumprimentos detectados até agora têm a ver com o ceticismo profissional e o deveres de exame, dever de comunicação às entidades reguladoras ou outras em caso de conhecimento ou suspeitas de operações suscetíveis de estarem relacionadas com branqueamente de capitais ou outras atividades criminosas, docmumentação do exercício de identificação, documentação de partes relacionadas e a prova obtida relativa a um conjunto de temas o reconhecimento de receitas, substancia económica das transações envolvendo partes relacionadas e a divulgação de saldos de transações com partes relacionadas, adiantou a presidente da CMVM.

 

Relacionadas

Eficácia, eficiência, proximidade, relevância: as metas da CMVM para 2021

A instituição liderada por Gabriela Figueiredo Dias estabeleceu quatro prioridades e quatro objetivos para 2021, um ano que apresenta “um contexto social, económico e financeiro adverso e marcado por elevada incerteza”.

Eurobic. Isabel dos Santos avança para tribunal contra o Banco de Portugal

A ação administrativa da empresária deu entrada na segunda-feira no Tribunal Administrativo de Lisboa e está relacionado com o banco Eurobic.
Recomendadas
catarina_martins_oe_2020

Covid-19: Catarina Martins faz um apelo a Costa para que estenda já as moratórias

“Deixo aqui hoje este apelo a António Costa: não espere que seja tarde demais, não espere pelo início dos despejos e das falências. As moratórias têm de ser estendidas já”, num comício maioritariamente virtual que assinalou o encerramento da conferência autárquica online e os 22 anos do BE, que comemora no domingo a sua fundação.

TAP. Ratificação dos acordos com pilotos e tripulantes era “passo crucial”, diz o Governo

“Porque estes acordos representam um compromisso muito firme de todos com o futuro da companhia, dão ainda mais credibilidade ao plano de reestruturação que o Estado português continuará a negociar com a Comissão Europeia ao longo das próximas semanas”, sublinhou o Ministério das Infraestruras e da Habitação.

Serviços postais caem 12,4% mas tráfego de encomendas dispara 20% em 2020

Tráfego total dos serviços postais caiu 12,4% em 2020, uma quebra que “está associada aos efeitos da pandemia da Covid-19” e que foi “mais expressiva” do que o recuo verificado em 2019 (-6,7%). A pandemia terá tido “um impacto direto, negativo, de 9,8% no tráfego postal total”.
Comentários