‘Luanda Leaks’. CMVM fez seis comunicações à PJ e não descarta possibilidade de mais

“Estamos a fechar estes trabalhos com nove auditores analisados, em 27 entidades auditoras analisadas”, explicou Gabriela Figueiredo Dias aos jornalistas. “Foram enviados 12 processos para apreciação contraordenacional, relativamente a um auditor e há mais dois que estão em análise relativemente a outros auditores”

Gabriela Figueiredo Dias, presidente do Conselho de Administração da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários | Foto de Cristina Bernardo

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) fez seis comunicações à Unidade de Investigação Financeira (UIF) da Polícia Judiciária no âmbito do caso ‘Luanda Leaks’, informou esta sexta-feira a presidente da instituição, Gabriela Figueiredo Dias, adiantando que não está descartada a possibilidade da fazer mais, pois a investigação vai prosseguir até fevereiro.

“Estamos a fechar estes trabalhos com nove auditores analisados, em 27 entidades auditoras analisadas”, explicou Figueiredo Dias aos jornalistas. “Foram enviados 12 processos para apreciação contraordenacional, relativamente a um auditor e há mais dois que estão em análise relativemente a outros auditores”

“Houve seis comunicações ao Unidade de Investigação Financeira, o que não significa que não venha haver outras, pois estamos ainda a terminar este trabalho”, sublinhou.

Os principais incumprimentos detectados até agora têm a ver com o ceticismo profissional e o deveres de exame, dever de comunicação às entidades reguladoras ou outras em caso de conhecimento ou suspeitas de operações suscetíveis de estarem relacionadas com branqueamente de capitais ou outras atividades criminosas, docmumentação do exercício de identificação, documentação de partes relacionadas e a prova obtida relativa a um conjunto de temas o reconhecimento de receitas, substancia económica das transações envolvendo partes relacionadas e a divulgação de saldos de transações com partes relacionadas, adiantou a presidente da CMVM.

 

Relacionadas

Eficácia, eficiência, proximidade, relevância: as metas da CMVM para 2021

A instituição liderada por Gabriela Figueiredo Dias estabeleceu quatro prioridades e quatro objetivos para 2021, um ano que apresenta “um contexto social, económico e financeiro adverso e marcado por elevada incerteza”.

Eurobic. Isabel dos Santos avança para tribunal contra o Banco de Portugal

A ação administrativa da empresária deu entrada na segunda-feira no Tribunal Administrativo de Lisboa e está relacionado com o banco Eurobic.
Recomendadas
Miguel Maya

CaixaBank espera lucros de 48 milhões do BCP apesar da provisões para créditos em francos suíços na Polónia

Apesar das provisões de 121 milhões por causa dos créditos hipotecários em francos suíços, o CaixaBank estima que o BCP apresente resultados líquidos no primeiro trimestre de 48 milhões de euros.

Galp distribui dividendo de 35 cêntimos a partir de 20 de maio

A Galp anuncia que aos acionistas que os dividendos se encontram a pagamento a partir do dia 20 de maio de 2021, com as ações a entrarem em ex-dividendo no dia 18. A “record date é a 19 de maio de 2021”, disse a empresa.

Holding da família Queiroz Pereira comprou mais 0,02% da Semapa

A Sodim, SGPS comunicou à Semapa – Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, “que hoje adquiriu em bolsa 1.816 acções, representativas de 0,002% do capital social da Semapa”.
Comentários