PremiumLuciano Huck: Mais uma estrela televisiva que não consegue resistir a cair no caldeirão da política

O popular apresentador da Globo alimenta há três anos o tabu da disponibilidade para se candidatar à presidência do Brasil, podendo enfrentar Jair Bolsonaro em 2022. Um almoço com Sérgio Moro e vários apoios nas eleições municipais em curso vieram aumentar as especulações.

Numa das mais extravagantes mas nem por isso novas modas mundiais de acrescentar uma carreira política a uma vida na comédia, no entretenimento ou na apresentação televisiva, o brasileiro Luciano Huck, nascido em São Paulo em setembro de 1971, pode ser o senhor que se segue nesta lista – que assim aparenta fortes possibilidades de se manter em aberto.

Apresentador do “Caldeirão do Huck”, programa de variedades na Rede Globo – o que em termos políticos não é despiciendo – e com presença assídua num ou noutro capítulo das novelas dessa estação televisiva, interpretando-se a si mesmo, Luciano Huck tem, assim à partida, apenas um pequeno senão: não há meio de se decidir.

A ‘novela’ da sua eventual disposição para concorrer ao lugar que ainda é ocupado por Jair Bolsonaro começou em 2017 – ou talvez mesmo antes, de qualquer modo antes de o atual presidente sentir igual apelo – quando escreveu um artigo de opinião para a “Folha de São Paulo” em que afirmava ser chegada a hora de a sua (dele) geração tomar as rédeas do poder federal brasileiro e garantir o desenvolvimento de todos, sem esquecer os mais desafortunados.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumEduardo Lourenço: Praticamente 100 anos de reflexão

Desde há muito um dos intelectuais mais consensuais, o autor de livros como “O Labirinto da Saudade” distinguia-se pela serenidade com que, vivendo longe do país, pensava Portugal e aquilo que é ser português. Morreu aos 97 anos, no dia da Restauração.

PremiumHossein Dehghan: O militar que pode vir a ser o próximo presidente do Irão

Não se sabe se será da linha dura ou um moderado – isto partindo-se do princípio, em que alguns não acreditam, que não há moderados no Irão. Seja como for, e num quadro em que a república islâmica está no centro de todas as agendas diplomáticas, o Ocidente ganhará em começar a aprender a dizer o seu nome.

PremiumMaradona: Fazer a revolução com a “mão de Deus” e a bola colada aos pés

Vingou a Guerra das Malvinas em pleno México 86, acabou com o estigma de que um clube do sul não podia ganhar títulos de campeão em Itália e dividiu esse país ao meio quando pôs Nápoles a celebrar uma vitória argentina no Itália 90. Para o 10, o futebol era uma arma.
Comentários