PGR: Lucília Gago vai substituir Joana Marques Vidal como Procuradora-geral

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, nomeou esta quinta-feira a nova Procuradora-Geral da República após uma proposta do primeiro ministro, António Costa.

Cristina Bernardo

Joana Marques Vidal não será reconduzida como procuradora-geral da República e o cargo será ocupado por Lucília Gago. O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, nomeou esta quinta-feira a nova procuradora-geral da República após uma proposta do primeiro ministro, António Costa, segundo anunciou no site oficial.

O mandato de Joana Marques Vidal à frente do Ministério Público termina apenas dia 12 de outubro, mas a procuradora já tem substituta escolhida. A presidência da República tomou a decisão por “duas razões determinantes”.

Em primeiro lugar explica que “sempre defendeu a limitação de mandatos, em homenagem à vitalidade da Democracia, à afirmação da credibilidade das Instituições e à renovação de pessoas e estilos, ao serviço dos mesmos valores e princípios”.

Por último, o presidente considera que Lucília Gago garante “a continuidade da linha de salvaguarda do Estado de Direito Democrático, do combate à corrupção e da defesa da Justiça igual para todos, sem condescendências ou favoritismos para com ninguém, tão dedicada e inteligentemente prosseguida” por Joana Marques Vidal.

Na carta enviada por António Costa a Marcelo Recelo de Sousa, o primeiro ministro justifica que é “o momento adequado” para apresentar nova proposta.

“A autonomia do Ministério Público é um princípio fundamental da organização do nosso sistema judiciário e é assegurada, antes do mais, por um estatuto que garante aos seus magistrados liberdade de consciência e de ação, protegendo-os contra a interferência de quaisquer poderes”, explica Costa.

Acrescenta entender que “é desejável que a personalidade a nomear seja um magistrado do Ministério Público com estatuto de Procurador-Geral Adjunto e com experiência nas áreas de ação do Ministério Público, em particular a ação penal”. Submete, assim, a nomeação de Lucília Gago para o período entre 2018 e 2024.

Licenciada em Direito pela Universidade de Lisboa, Lucília Gago, de 62 anos, trabalhou como Delegada do Procurador da República e Procuradora da República na Vara Criminal de Lisboa, no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa e no Tribunal de Família e Menores de Lisboa.

Após seis anos de Joana Marques Vidal (incluindo vários meses de discussão sobre a possível recondução do cargo), irá agora liderar o Ministério Público. Antes de Joana Marques Vidal, os anteriores titulares deo cargo foram Pinto Monteiro (2006-2012), Souto de Moura (2000-2006), Cunha Rodrigues (1984-2000), Arala Chaves (1977-1984) e Pinheiro Farinha (1974-1977).

[Notícia atualizada às 21h30]

Ler mais
Relacionadas

PGR: PS considera que nomeação de Lucília Gago assegura independência da justiça

Carlos César fez estas declarações à agência Lusa após o chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, ter nomeado como procuradora-geral da República a atual procuradora-geral Adjunta Lucília Gago, com efeitos a partir de 12 de outubro.

PGR: Casos mediáticos do crime económico serão um dos grandes desafios, diz sindicato de magistrados

“Espero que o Ministério Público continue a ter autonomia dos restantes poderes e os seus magistrados sejam livres para investigar”, disse à Lusa o presidente do SMMP.

PGR: Bastonário dos advogados espera que Lucília Gago discuta justiça de forma frontal

“Não tenho grandes referências, sei que vem do direito da família e menores. Desejo, contudo, que se mantenham as boas relações institucionais sem prejuízo da forma como cada um vê a justiça”, comentou Guilherme Figueiredo à Lusa.

PGR: CDS-PP espera que Lucília Gago siga “a linha” da antecessora

À agência Lusa, o deputado e dirigente do CDS-PP Telmo Correia disse que o partido respeita a opção diferente, por parte do Presidente da República e do Governo.

PGR: Catarina Martins recusa-se a comentar nomeação de Lucília Gago

A líder bloquista recordou que nunca colocou a questão em termos de nomes, por entender que se deveria garantir a “não partidarização e independência do órgão”, alegando que o debate público sobre esta matéria “não foi conduzido da melhor maneira”.

PGR: Passos Coelho diz que faltou “decência” para justificar saída de Joana Marques Vidal

Nestes anos de mandato, que a Constituição determina poder ser renovável, entendeu quem pode que a senhora procuradora deveria ser substituída. Não houve, infelizmente, a decência de assumir com transparência os motivos que conduziram à sua substituição”, escreve Passos Coelho, num artigo de opinião publicado na quinta-feira no jornal ‘online’ Observador.

PGR: Costa defende mandato “longo e único” de magistrado do Ministério Público

O primeiro-ministro defende em carta hoje enviada ao Presidente da República que o procurador-geral da República deve exercer um mandato “longo e único”, sendo desejável para essas funções um magistrado experiente do Ministério Público.

PGR: PCP exige “garantia do melhoramento do trabalho desenvolvido”

Como já foi afirmado publicamente, o PCP não se pronuncia sobre nomes, mantendo a sua recusa de pessoalização da nomeação para o cargo”, refere o comunicado do PCP na sequência da nomeação de Lucília Gago como nova procuradora-geral da República.
Recomendadas

PremiumCadeia de Lisboa fecha até 2020, abrindo a porta a negócio de milhões

Cadeia de Lisboa será encerrada até 2020, apurou o JE. Terreno situado em pleno coração da capital vale mais de 200 milhões de euros e deverá acolher o novo Campus da Justiça. Parte do terreno ficará para a CML e poderá ter lugar a venda a privados.

Presidente do Turismo do Norte detido por viciação de contratos públicos

Melchior Moreira é um dos cinco detidos no âmbito de uma investigação relativa à presumível viciação de procedimentos de contratação pública.

Santander investigado por fraude fiscal que terá custado cerca de 10 mil milhões de euros à Alemanha

A justiça alemã enviou uma carta ao Santander informando que os espanhóis eram suspeitos de”planear e executar transações” que facilitaram uma “massiva evasão fiscal” entre os anos de 2007 e 2011.
Comentários