Lucro da Alibaba cai para 5.874 milhões no primeiro trimestre fiscal

Estes investimentos reduziram os lucros de exploração do grupo em 11% em termos homólogos, tendo afetado também a margem de exploração, que caiu de 23% para 15%.

O gigante chinês do comércio eletrónico Alibaba obteve lucros de 45.141 milhões de yuan (cerca de 5.874 milhões de euros) no seu primeiro trimestre fiscal, menos 5% do que no mesmo período de 2020, foi esta terça-feira anunciado.

O volume de negócios do grupo entre abril e junho atingiu 205.740 milhões de yuan (31.832 milhões de dólares, 26.767 milhões de euros), um aumento de 34% em relação ao ano anterior.

Num comunicado enviado à Bolsa de Hong Kong, onde a empresa está cotada, a diretora financeira da empresa, Maggie Wu, explica que a Alibaba está a investir os “lucros excedentários” no apoio aos vendedores que operam através das suas plataformas e noutras “áreas estratégicas”, tais como a exploração de novos mercados.

Estes investimentos reduziram os lucros de exploração do grupo em 11% em termos homólogos, tendo afetado também a margem de exploração, que caiu de 23% para 15%.

A isto é preciso acrescentar a multa recorde – de cerca de 2.820 milhões de dólares – imposta em maio pelas autoridades chinesas ao grupo por violação dos regulamentos antimonopólio, que provocou uma redução de quase 33% na liquidez da Alibaba, embora Wu sublinhe que esta continua a ser “forte”.

A CFO (Chief Financial Officer) também revelou que a direção da empresa de tecnologia aprovou um aumento de 50% para 15.000 milhões de dólares do plano de recompra de ações até ao final de 2022, o maior da história da empresa, devido à “confiança nas perspetivas de crescimento a longo prazo”.

Desde 01 de abril, a Alibaba recomprou até 3.700 milhões de dólares das suas ações de Nova Iorque.

As vendas a retalho na China – principalmente através dos seus populares portais Taobao e Tmall – continuam a representar a maior parte das receitas da empresa, designadamente 66%.

Entretanto, as vendas a retalho internacionais – segmento em que se destaca o portal AliExpress – aumentaram 54%, embora ainda representem apenas 5% do volume total de negócios da Alibaba.

Fora do segmento do comércio eletrónico, que representa 87% das receitas totais, as empresas de ‘cloud computing’ cresceram 29% e os meios digitais e de entretenimento 15%.

No final de junho, as plataformas de Alibaba acumulavam cerca de 1.180 milhões de utilizadores ativos anuais, dos quais mais de três quartos se encontram na China.

O conglomerado, uma das maiores empresas da China e do mundo, parece estar na mira das autoridades, que não só impuseram a referida multa antimonopólio, mas também impediram no último minuto a admissão à bolsa da sua filial ‘fintech’ Ant Group, que deveria ter sido a maior operação do género da história.

Embora as ações da Alibaba tenham subido 0,83% na sessão de hoje em Hong Kong, desde o início do ano perderam cerca de 15% do seu valor.

Recomendadas

El Corte Inglés e Aicep assinam acordo de cooperação para promover marcas portuguesas

El Corte Inglés e AICEP promovem marcas portuguesas através dos canais online. O objetivo primordial deste acordo é aumentar o número de empresas e produtos portugueses que integram a cadeia de fornecimento online do retalhista em Portugal e Espanha

Quer testar tecnologia inovadora em motociclos? Bosch procura 100 voluntários

Os voluntários serão convidados a utilizar um simulador de motociclos, instalado em laboratório, onde é possível ter uma experiência semelhante à condução real de uma mota, ao mesmo tempo que o condutor é exposto a diferentes situações de perigo. Os requisitos para participação no ensaio são ter experiência na condução de motas e estar na faixa etária entre os 20 e os 60 anos.

Credores da Groundforce aprovam pagamento das dívidas à Segurança Social em 150 prestações

As 150 parcelas são o máximo permitido por lei. A proposta foi aprovada por unanimidade esta quarta-feira, em assembleia de credores, que se realizou no tribunal de Monsanto.
Comentários