Lucro da petrolífera Saudi Aramco cai 50% no primeiro semestre para 19,7 mil milhões de euros

A petrolífera Saudi Aramco alcançou 23,2 mil milhões de dólares (cerca de 19,7 mil milhões de euros) de lucro no primeiro semestre deste ano, menos 50% do que em igual período do 2019, penalizado pela pandemia de covid-19.

Já nos primeiros três meses do ano, o lucro líquido da gigante saudita cedeu 73,4%, face ao período homólogo, para 6,6 mil milhões de dólares (sensivelmente 5,6 mil milhões de euros).

No entanto, a empresa mantém a intenção de distribuir dividendos no segundo trimestre.

“A turbulência associada à redução da procura e aos preços baixos do petróleo refletiram-se nos nossos resultados”, explicou, em comunicado, o presidente executivo da petrolífera, Amin Nasser.

Em abril e maio, o preço do petróleo atingiu mínimos de duas décadas, ficando abaixo de 20 dólares (perto de 17 euros) por barril, o que se justifica com a diminuição da procura devido à covid-19.

Posteriormente, os preços avançaram para 44 dólares (37 euros) por barril, após os países produtores terem decidido cortar a produção.

Devido a este corte, a produção de petróleo saudita caiu, em junho, para 7,5 milhões de barris por dia, abaixo da média de 10 milhões de barris diários registada em 2019.

O lucro da Aramco foi também afetado pelas perdas registadas na Saudi Basic Industries, a petroquímica que a empresa saudita comprou recentemente.

Apesar do impacto nas contas, a gigante saudita vai distribuir 18,75 mil milhões de dólares (15,9 mil milhões de euros) em dividendos no segundo trimestre.

A pandemia de covid-19 já provocou cerca de 722 mil mortos e infetou mais de 19,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Ler mais
Recomendadas

Novo Banco: ASF diz que comprovou idoneidade de todos os ligados à compra da GNB Vida

“Os beneficiários desta aquisição são 19, 19 investidores pessoais, que têm participações no fundo Apax. (…) Sabemos quem são os beneficiários últimos, esta pessoa não consta”, afirmou a presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), em audição na comissão de orçamento e finanças.

Carris prolonga horários dos autocarros por causa da derrocada na Praça de Espanha

O serviço noturno do autocarro “746”, que percorre a zona do Marquês de Pombal até Sete Rios, foi prolongado até à 1h00, depois do desabamento nas obras que provocou ferimentos ligeiros em quatro pessoas.

Tecnoplano vai fiscalizar obra de expansão do Metro de Lisboa

Às empreitadas já adjudicadas acrescerá a fiscalização dos subsequentes contratos por adjudicar de acabamentos e equipamentos das estações túneis, poços de ventilação e viadutos, asseguram os responsáveis da empresa.
Comentários