Lucro da Toyota Caetano cai 62% para 4,4 milhões de euros em 2020

A empresa registou um volume de negócios de cerca de 358 milhões de euros, uma quebra de 21,6%, face ao período homólogo de 2019, com a componente de vendas de viaturas e peças a assumir uma maior influência (redução de 25%).

A Toyota Caetano registou lucros consolidados de 4,4 milhões de euros em 2020, uma queda de 61,8% face a 2019, de acordo com o relatório e contas do grupo, publicado no âmbito da assembleia-geral do grupo.

“De salientar que com o alastrar da pandemia e nomeadamente após a declaração do estado de emergência já na 2.ª quinzena de março de 2020, o nosso grupo viu-se confrontado com uma significativa redução da sua atividade, a qual atingiu nos meses subsequentes quebras acima dos 60%”, justificou a empresa, realçando que, “como é natural, reduções de atividade tão fortes e tão súbitas/inesperadas não permitem uma reação imediata que garanta em simultâneo o equilíbrio da relação custos/proveitos”.

Assim, de acordo com o mesmo comunicado, “durante ano de 2020, num contexto de total imprevisibilidade face à pandemia criada pelo covid-19, o setor automóvel surgiu como um dos setores mais afetados, tendo-se registado uma forte quebra na venda de viaturas, face ao comportamento do mercado dos últimos períodos, impacto que também se fez sentir ao nível do Grupo Toyota Caetano Portugal”.

Neste contexto, a empresa registou um volume de negócios de cerca de 358 milhões de euros, uma quebra de 21,6%, face ao período homólogo de 2019, com a componente de vendas de viaturas e peças a assumir uma maior influência (redução de 25%).

O EBITDA (o resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da Toyota Caetano em 2020 atingiu os 29,2 milhões de euros, o que representou uma queda de 32,8% em relação a 2019, de acordo com o relatório e contas.

A Toyota Caetano indicou ainda que “não obstante se ter registado um decréscimo de atividade, foi possível quase manter a margem de comercialização, o que combinado com menores gastos de funcionamento e, de forma mais significativa, menores gastos com o pessoal, veio contribuir para que o grupo se continuasse a situar em níveis positivos de resultados”.

Assim, “os menores gastos com o pessoal suportados, face ao período homólogo de 2019, encontram-se diretamente relacionados com a adesão ao ‘lay-off’ simplificado por parte de algumas empresas que compõem o grupo, com os consequentes apoios disponibilizados pela Segurança Social”, referiu a empresa.

Já o endividamento bancário líquido “manteve-se dentro dos níveis expectáveis tendo registado em dezembro 2020, o montante de cerca de 33 milhões de euros, quando em dezembro de 2019 era de cerca de 32 milhões de euros”, referiu o grupo.

A Toyota Caetano convocou, para o dia 27 de maio, uma assembleia-geral de acionistas onde serão votados estes resultados, bem como realizada a apreciação geral de administração e fiscalização da sociedade e da declaração anual sobre a política de remuneração dos membros dos órgãos de Administração e de Fiscalização da Sociedade, elaborada pela Comissão de Remunerações.

Na convocatória, enviada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a empresa disse ainda que os detentores de títulos irão “deliberar sobre a proposta de aplicação dos resultados líquidos apurados no exercício de 2020” e que irão passar para a conta de resultados transitados, de acordo com a proposta do grupo.

Recomendadas

Tik Tok cobra até dois milhões por dia por destaques publicitários

O preço total aumentou em grande parte devido à crescente base de clientes da rede social. Só nos EUA a aplicação tinha mais de 100 milhões de utilizadores ativos por mês em agosto.

Alienação de participações em blocos ajuda Sonangol a reduzir exposição financeira e dívidas

A abertura do processo emerge “de ações que visam o reposicionamento e sustentabilidade da carteira de investimentos da Sonangol para assunção dos seus compromissos financeiros nas concessões petrolíferas e com as instituições bancárias”, bem como a redução da exposição financeira da empresa.

Portugueses em teletrabalho gastam menos 161 euros por mês, revela estudo

Segundo o inquérito da plataforma Fixando, a poupança deve-se sobretudo às deslocações para os postos de trabalho.
Comentários