Lucros agregados dos bancos caíram 77% no 1.º semestre, revela APB

Nos primeiros seis meses do ano, os resultados líquidos dos bancos caíram 77% face ao período homólogo, uma descida maioritariamente explicada pela necessidade de reforçar a constituição de imparidades”, de acordo com a associação que agrupa os principais bancos que operam em Portugal.

Cristina Bernardo

Os lucros agregados dos bancos caíram 77% no primeiro semestre para 255 milhões de euros, face ao mesmo período de 2019, sobretudo devido ao reforço de imparidades, segundo a informação hoje divulgada pela Associação Portuguesa de Bancos (APB).

“Neste período, foram já visíveis os impactos da pandemia covid-19 sobre o setor, nomeadamente ao nível da rentabilidade. Nos primeiros seis meses do ano, os resultados líquidos dos bancos caíram 77% face ao período homólogo, uma descida maioritariamente explicada pela necessidade de reforçar a constituição de imparidades”, de acordo com a associação que agrupa os principais bancos que operam em Portugal.

Ainda segundo a Síntese de Indicadores do Setor Bancário, entre o primeiro semestre de 2019 e o primeiro semestre de 2020, o produto bancário caiu 4,5% para 4.669 milhões de euros, com a margem financeira a ceder 3,3% para 3.082 milhões de euros e as comissões líquidas 5,7% para 1.381 milhões de euros.

Recomendadas

PremiumBruxelas e Frankfurt pedem explicações sobre transferências para Novo Banco

Conselho Único de Resolução e Banco Central Europeu pediram esclarecimentos ao Banco de Portugal sobre chumbo a transferências do Fundo de Resolução para o Novo Banco.

Membros da comissão de acompanhamento da capitalização do Novo Banco eleitos em AG

No mandato que se inicia a 1 de janeiro de 2021, a Comissão de Acompanhamento integrará José Bracinha Vieira para Presidente do órgão que monitoriza o mecanismo de capitalização contingente do Novo Banco, indicado pelo Fundo de Resolução.

Novo Banco acredita que Fundo de Resolução continuará a capitalizar o banco

Em comunicado, o Novo Banco confia que o Fundo de Resolução continuará a cumprir as “suas obrigações de pagamento”.
Comentários