Lucros da Ramada caíram 91,5% até setembro

Os lucros da F. Ramada formam menos de um décimo do conseguido no período homólogo de 2018, em que a empresa garantiu resultados líquidos de cerca de 67,3 milhões de euros.

Os lucros da Ramada Investimento e Indústria nos primeiros três trimestres deste ano caíram 91,5% face ao período homólogo do ano passado, fixando-se em cerca de 5,7 milhões de euros.

Segundo o relatório e contas da empresa do grupo empresarial liderado por Paulo Fernandes referente ao período entre janeiro e setembro deste ano, os lucros da F. Ramada formam menos de um décimo do conseguido no período homólogo de 2018, em que a empresa garantiu resultados líquidos de cerca de 67,3 milhões de euros.

No documento enviado para a CMVM – Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, os responsáveis da empresa não explicam as razões desta quebra.

A Ramada Investimentos e Indústria é a sociedade-mãe de um conjunto de empresas que exploram negócios distintos, desde a área industrial, que inclui a atividade dos aços especiais e trefilaria, assim como a atividade relacionada com a gestão de investimentos financeiros relativos a participações em que o grupo é minoritário.

Esta subholding dedica-se também ao segmento imobiliário, estando vocacionada para a gestão de ativos neste segmento de negócios.

A única eventual explicação para a quebra dos lucros pode encontrar-se na afirmação constante do referido relatório e contas, segundo a qual, “nos primeiros nove meses de 2019, a atividade de aços registou um decréscimo do volume de negócios face a igual período do ano anterior”.

No entanto, as vendas consolidadas da Ramada, se bem que igualmente em perda, não tiveram um comportamento tão negativo. Nos primeiros nove meses deste ano, a empresa registou um volume de negócios de 86,5 milhões de euros, menos 11,6% que em idêntico período do ano passado.

Mesmo, especificamente no setor da indústria, a faturação da empresa caiu apenas 12,3%, para cerca de 81,7 milhões de euros.

O EBITDA da Ramada no período em análise também baixou, na casa dos 22,7%, para cerca de 11,5 milhões de euros.

Ler mais
Recomendadas

Estudo revela que três em cada dez startups do Porto correm o risco de fechar

O relatório “Impacto da Covid-19 nas Startups do Porto”, elaborado pela Porto Digital, FES Agency e Aliados Consulting, revela que 31,7% das startups têm até três meses de capital disponível.

PremiumMontepio Crédito defende CFEI para capitalizar empresas

Pedro Gouveia Alves realça que este instrumento de crédito fiscal já deu provas positivas em 2014. Autonomia financeira do setor ronda apenas os 20%.

PremiumProibição dos festivais até ao final de setembro “é uma catástrofe para centenas de empresas”

Todos os serviços que estão integrados na realização de um festival musical estão a ser afetados pela lei que proíbe a realização desse tipo de eventos.
Comentários