PremiumLula da Silva. “A faúlha que pode incendiar a pradaria”

O Brasil está a passar por um momento de enorme tensão desde a libertação do ex-presidente. As hostes de Jair Bolsonaro olham para Lula da Silva e para a capacidade que tem de agregar vontades com uma enorme preocupação e a pergunta “onde estão os militares?” volta a fazer sentido. Entretanto, Bolsonaro está prestes a ter um novo partido, mas nada disso tem sido suficiente para estancar a derrocada da sua popularidade entre os brasileiros.

Há um exercício fácil de fazer para se compreender o quão incompreensível é o momento político no Brasil: encontrar um grupo de brasileiros que inclua pelo menos um apoiante do agora libertado ex-presidente Inácio Lula da Silva e um votante no atual presidente, Jair Bolsonaro, e pedir-lhes para explicarem de que lado está a razão e porquê. Em menos de 30 segundos, quando muito, a discussão já atingiu limites de insonoridade e horizontes de absoluta falta de esclarecimento.

É esta uma das raízes do problema, como explica ao JE o embaixador Francisco Seixas da Costa, profundo conhecedor in loco da realidade política brasileira. Para o comentador político, a divisão entre apoiantes de Lula da Silva e de Jair Bolsonaro é uma fratura que há muito deixou de ter fundamentos reconhecíveis na razão e na razoabilidade.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Bezos oferece 1,7 mil milhões de euros para voltar a entrar na corrida à Lua

Devido a falta de financiamento, a Nasa anunciou que só poderia conceder o contrato a uma empresa, em vez das duas habituais. Este ano, a agência recebeu 850 milhões de dólares (721,7 milhões de euros) dos 3,3 mil milhões de dólares (2,8 mil milhões de euros) solicitados ao Congresso norte-americano para construir o módulo lunar. 

PremiumSuba: A um nível superior

E na freguesia de Santa Catarina, no bairro da Bica, junto ao miradouro do Adamastor, que se localiza um dos tesouros menos conhecidos da capital, o Hotel Verride Palácio Santa Catarina.

PremiumJoão Rodrigues: De câmara e fato de neoprene, a sua missão é salvar os oceanos

Premiado internacionalmente e colaborador regular da revista “National Geographic Portugal”, João Rodrigues não prescinde da sua câmara para divulgar os mares portugueses e sensibilizar a comunidade para a importância da sua conservação.
Comentários