PremiumLula da Silva. “A faúlha que pode incendiar a pradaria”

O Brasil está a passar por um momento de enorme tensão desde a libertação do ex-presidente. As hostes de Jair Bolsonaro olham para Lula da Silva e para a capacidade que tem de agregar vontades com uma enorme preocupação e a pergunta “onde estão os militares?” volta a fazer sentido. Entretanto, Bolsonaro está prestes a ter um novo partido, mas nada disso tem sido suficiente para estancar a derrocada da sua popularidade entre os brasileiros.

Há um exercício fácil de fazer para se compreender o quão incompreensível é o momento político no Brasil: encontrar um grupo de brasileiros que inclua pelo menos um apoiante do agora libertado ex-presidente Inácio Lula da Silva e um votante no atual presidente, Jair Bolsonaro, e pedir-lhes para explicarem de que lado está a razão e porquê. Em menos de 30 segundos, quando muito, a discussão já atingiu limites de insonoridade e horizontes de absoluta falta de esclarecimento.

É esta uma das raízes do problema, como explica ao JE o embaixador Francisco Seixas da Costa, profundo conhecedor in loco da realidade política brasileira. Para o comentador político, a divisão entre apoiantes de Lula da Silva e de Jair Bolsonaro é uma fratura que há muito deixou de ter fundamentos reconhecíveis na razão e na razoabilidade.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumRafał Trzaskowski: Impacto de Varsóvia pretende deixar a Polónia sem Lei e Justiça

Escolhido à última hora para tentar impedir a reeleição do presidente Andrzej Duda, aliado do governo nacionalista que domina o país, Rafal Trzaskowski conseguiu passar à segunda volta e procura apoios na minoritária esquerda polaca para chegar a chefe de Estado.

PremiumFórmula 1: ‘Circo’ acelera no Algarve e traz impacto de 30 milhões

Há 24 anos que não se ouve a Fórmula 1 em Portugal, mas a pandemia trouxe uma oportunidade. O CEO do circuito algarvio explica que o Estado terá de contribuir com até 36 milhões de euros.

PremiumRaquel Buenrostro: Cobradora dos fortes assume-se como a “Dama de Ferro” do Tesouro mexicano

Após 20 anos de carreira, Buenrostro chega à liderança da Administração Tributária do México com para contrariar a “tolerância” dos sucessores para com o incumprimento das obrigações fiscais das grandes empresas. “Agora sabem que se não pagarem são processadas”, adverte.
Comentários