PremiumLula da Silva. “A faúlha que pode incendiar a pradaria”

O Brasil está a passar por um momento de enorme tensão desde a libertação do ex-presidente. As hostes de Jair Bolsonaro olham para Lula da Silva e para a capacidade que tem de agregar vontades com uma enorme preocupação e a pergunta “onde estão os militares?” volta a fazer sentido. Entretanto, Bolsonaro está prestes a ter um novo partido, mas nada disso tem sido suficiente para estancar a derrocada da sua popularidade entre os brasileiros.

Há um exercício fácil de fazer para se compreender o quão incompreensível é o momento político no Brasil: encontrar um grupo de brasileiros que inclua pelo menos um apoiante do agora libertado ex-presidente Inácio Lula da Silva e um votante no atual presidente, Jair Bolsonaro, e pedir-lhes para explicarem de que lado está a razão e porquê. Em menos de 30 segundos, quando muito, a discussão já atingiu limites de insonoridade e horizontes de absoluta falta de esclarecimento.

É esta uma das raízes do problema, como explica ao JE o embaixador Francisco Seixas da Costa, profundo conhecedor in loco da realidade política brasileira. Para o comentador político, a divisão entre apoiantes de Lula da Silva e de Jair Bolsonaro é uma fratura que há muito deixou de ter fundamentos reconhecíveis na razão e na razoabilidade.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumMichael Bloomberg: O homem que pode vir a ser o pior pesadelo de Donald Trump

Bloomberg e Trump têm muito em comum e muito que os diferencia. Mas talvez o que têm em comum – uma visão potencialmente instrumental da cena política, que gostam de enformar aos seus interesses próprios – seja aquilo que mais poderá tornar interessante uma possível disputa presidencial entre os dois. Para já, vários analistas consideram que Trump pode finalmente estar confrontado com alguém capaz de o vencer.

PremiumJesus e os outros: A irreverência dos predestinados

Da Europa a África, passando pela Ásia e pelas Américas, os treinadores portugueses conquistam títulos por onde passam. Jorge Jesus tornou-se o caso mais recente, mas o passado está recheado de êxitos, com o processo de formação a ter um papel determinante no sucesso dos técnicos nacionais.

PremiumFundadores: Criaram empresas e foram demitidos

Nem sempre é fácil manter o controlo da empresa que se fundou. Pressão dos investidores, guerras internas ou má gestão financeira ditaram o afastamento de vários executivos. Há quem tenha dito que foi o melhor que lhe aconteceu na vida, enquanto outros demoraram anos a dar a volta por cima.
Comentários