Lusófona oferece bolsas para estudantes dos países da CPLP e Macau

Podem concorrer cidadãos da Comunidade de Países de Língua Portuguesa e de Macau. As candidaturas para as últimas vagas decorrem até ao próximo dia 30 de outubro.

A Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias informou que tem disponível 130 bolsas de estudo, com isenção de propinas, para cidadãos da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) e de Macau para o ano letivo 2020/2021.

Segundo uma nota informativa publicada no site da referida universidade, os interessados devem apresentar as suas candidaturas, numa primeira fase, até esta terça-feira (18 de agosto), e até 30 de outubro para as vagas sobrantes, nos Serviços de Ação Social da Universidade Lusófona, em Lisboa.

O número de vagas por país está distribuído pelos países da CPLP, tendo sido disponibilizado 25 bolsas para cidadãos de Angola, 25 para Brasil, 20 para Cabo Verde, 15 para Guiné-Bissau, 10 para Guiné Equatorial, cinco para Macau, dez para Moçambique, 15 para São Tomé e Príncipe e 5 para Timor.

Os benefícios educacionais proporcionados aos alunos com nacionalidade dos países da CPLP fazem parte do projeto da administração da Universidade de apoiar os países da Comunidade Lusófona na formação de quadros superiores de modo a contribuir para o seu desenvolvimento.

As bolsas de estudo, isentas de propinas, enquadram-se no Protocolo de Cooperação firmado entre o Grupo Lusófono e a CPLP, em 8 de junho de 2005, e da respetiva adenda, de 24 de junho de 2006.

Recomendadas

Portugal tratou 8.344 doentes dos PALOP em quatro anos. Cabo Verde é o segundo com mais transferências médicas

As especialidades mais procuradas são a cardiologia, a oncologia, a oftalmologia, a pediatria, a urologia, a otorrinolaringologia, a cirurgia geral e cirurgia pediátrica, a ortopedia e a neurocirurgia. Em 2019, Angola enviou 46 doentes, Cabo Verde 619, a Guiné-Bissau 681, Moçambique 35 e São Tomé e Príncipe 234.

G20 diz que mais de metade dos países africanos pediram alívio da dívida

Entre os 30 países africanos que pediram um alívio da dívida estão os lusófonos Angola, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe, que assinaram já um memorando de entendimento com o Clube de Paris, que operacionaliza a DSSI.

Mais de 300 trabalhadores pediram subsídio para quarentena em Cabo Verde

Nos meses de abril, maio e junho, o instituto público que gere as pensões cabo-verdianas recebeu 335 pedidos para atribuição do subsídio por isolamento profilático, uma quarentena estipulada em 14 dias, no valor equivalente a 70% do salário mensal auferido pelo trabalhador.
Comentários