Maçã podre!

Por diferentes que sejam os tempos e os regimes políticos, a pergunta, quando se discute a forma como o Estado exerce o poder político, mantém-se: ‘até que ponto o melhor é mau?’

Anteontem, no início da greve dos motoristas, as televisões mostraram um dos sindicalistas ostentando um curioso cartaz. Nele se via o primeiro-ministro tendo por companhia a imagem de uma maçã podre. A inspiração é evidente: a conhecida capa da revista “Time”, de 1946, onde Salazar se mostrava igualmente acompanhado do mesmo fruto estragado e onde a propósito do mais “antigo Ditador da Europa “se perguntava: “Portugal: how bad is the best?”.

Que a comparação possa parecer absurda – e é se tomarmos por referência ambos os políticos que nada têm que ver um com o outro – a mensagem que pretende passar não é disparatada. E ela diz -nos que o Governo socialista, apoiado por comunistas (seguramente o mais esquerdista de todos os governos europeus) é visto pelos motoristas como o amparo dos patrões e o adversário dos trabalhadores, ao criminalizar, na prática, o direito à greve.

Bem pode o Governo invocar à boca cheia a defesa do interesse público e arregimentar toda a parafernália estatal (tribunais, emergência energética, governo de crise, requisição civil, forças armadas) no que certamente merecerá, como todos os comentadores o dizem (e quem sou eu para o contestar) o apoio da esmagadora maioria dos portugueses, que não se livra da acusação: ser uma aparência (maçã saudável) que esconde a realidade (maçã estragada).

Pelo menos é isso que pensa a classe profissional que nos últimos tempos mais desconsiderada e vilipendiada tem sido. E é bem capaz de não pensar mal. Porque, verdadeiramente, por diferentes que sejam os tempos e os regimes políticos, a pergunta, quando se discute a forma como o Estado exerce o poder político, nunca deixou de colocar- se: how bad is the best?

O autor escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

O regime em julgamento

A propósito de António Mexia, o senhor que se segue, lembremos a natureza humana para prevenir a economia, com a Efacec e a TAP bem presentes: quanto maior for o Estado, maior pode ser a pouca vergonha

Os Elefantes Brancos

Estas últimas duas décadas ficaram marcadas pela subida estrondosa da dívida pública oficial e oficiosa, ou seja, aquela que ainda ai vem.

Não TAP(ar) os olhos porque “eles” continuam a mexer

“Acabar com a corrupção é o objetivo supremo de quem ainda não chegou ao poder.”
Comentários