Macron e a ameaça russa

A ameaça da Rússia está sobrevalorizada. Muitos dirigentes europeus têm consciência disso, mas inibem-se de o dizer publicamente para não confrontar os EUA. Macron trouxe esse debate para a praça pública.

Na recente entrevista à “Economist”, o presidente francês sublinhou a necessidade de a Europa “reabrir um diálogo estratégico, sem ingenuidade, com a Rússia”. Emmanuel Macron referiu ainda que a Europa tem direito a ser autónoma, não devendo limitar-se a seguir as determinações americanas, mas sim a repensar a sua relação estratégica com a Rússia, sem que isso impeça a tomada de posições firmes relativamente ao processo de Minsk e à situação na Ucrânia. A relação da Europa com a Rússia levantada por Macron transporta-nos para dois debates importantes: a natureza da ameaça russa e a importância que ela tem atualmente na agenda da Aliança.

A avaliação do potencial estratégico de um Estado, que se ensina nas escolas militares, poderá ajudar-nos a formular possíveis respostas. Recorremos a um exercício simples, em que se considera apenas um número muito reduzido de fatores do potencial estratégico (população, PIB e orçamento de defesa) da Rússia e dos Estados mais importantes da NATO, relativamente a 2019. De acordo com o FMI, o PIB dos EUA ronda os $21,3 biliões (B), da Alemanha $3,96B, do Reino Unido $2,83B e da França $2,76B. O PIB da Rússia ronda os $1,61B, abaixo do PIB da Itália e do Canadá e ligeiramente acima do da Espanha.

Segundo o SIPRI, o orçamento de defesa dos EUA aproxima-se dos 649 mil milhões (MM), da França $63,8MM, Reino Unido $50MM, e da Alemanha $49,5MM. A Rússia aparece em 6.º lugar a nível mundial, atrás da França com $61,4MM. O PIB per capita de Portugal ($23.418) foi mais do dobro do russo ($11.040). Em termos de população, a Alemanha (83,5M) e a França (65M) juntas superam a Rússia (145,8M), que se encontra em declínio e envelhecimento acentuado. A Rússia faz fronteira com mais países (16) do qualquer outro país do mundo, com uma extensão de 20.000 km, uma assinalável vulnerabilidade em matéria defensiva.

Se é válido o que se ensina nas escolas de guerra, apesar de reduzida, a informação aqui considerada não é despicienda quando se pretende avaliar o potencial relativo de combate desfavorável à Rússia, embora mitigado pela posse de um extenso armamento nuclear.

Percebemos a narrativa do alarmismo, insegurança e ansiedade. Felizmente que a retórica não é compaginável com o que se verifica no terreno. Apesar de tão alardeada, a probabilidade de uma ação aventureira russa que descambe num confronto generalizado na Europa é extremamente remota. Os dirigentes russos são atores racionais e estão cientes da correlação de forças existente. A Ucrânia é um parceiro da NATO e como tal não está ao abrigo do art.º V, como qualquer Estado-membro, nomeadamente a Polónia ou os Estados Bálticos.

A ameaça está sobrevalorizada merecendo por isso reavaliação. Grande número de dirigentes europeus tem consciência disso, mas inibe-se de o dizer publicamente para não confrontar os EUA. Macron trouxe esse debate para a praça pública.

A Rússia não é nem será uma potência global. Não tem recursos para isso. Os seus avanços no Médio Oriente, em particular na Síria, e em África poderão tornar-se um custo insustentável. A NATO continua a ser necessária e importante para a Europa, mas terá de rever as suas prioridades e não pode deixar que alguns dos seus Estados-membros sequestrem e se apoderem da sua agenda. As ameaças provenientes do sul não são de menor importância.

Recomendadas

Polígrafo de maçons

Como Rui Rio, considero importante saber se um homem público, que se propõe liderar um grande partido e, por extensão, arriscar-se a governar um país, é verdadeiramente livre, dono da sua ação

O psíquico de Trump

Trump conseguiu o que nenhum dos seus antecessores conseguiu. Pôr os europeus a gastar mais com a defesa, e reduzir significativamente a contribuição americana para o orçamento da NATO.

Os media entre Cila e Caríbdis

As propostas de financiamento público não são consensuais no próprio meio e há razões válidas para duvidar que possam ser o caminho ideal, mas o setor precisa de uma visão sustentável a médio e longo prazo.
Comentários