Macron sobre Bolsonaro: “os brasileiros merecem um presidente que esteja à altura do cargo”

O presidente francês diz que comentário de Bolsonaro sobre a esposa de Macron foi “triste” e “desrespeitoso”. Aumenta a escala de tensões entre os dois países que teve inicio depois de Macron ter acusado Bolsonaro de “ecocídio” devido aos fogos na Amazónia.

Presidente da República de França, Emmanuel Macron

O presidente francês, Emmanuel Macron, voltou a criticar, esta segunda-feira, Jair Bolsonaro enquanto presidente, aumentando a escala de tensão entre os dois líderes.

Durante uma conferência de imprensa coletiva com o presidente do Chile, Sebastián Piñera, Macron afirmou que o comentário de Bolsonaro sobre a mulher do presidente francês, foi “triste” e “extremamente desrespeitoso”.

“As mulheres brasileiras sem dúvida têm um pouco de vergonha [do seu presidente]”, cita a Folha do São Paulo as afirmações do líder europeu, que acrescentou ainda que os brasileiros “merecem um presidente que esteja à altura do cargo”.

A resposta vem depois de Bolsonaro ter partilhado um comentário de um utilizador no Facebook sobre a esposa de Macron, Brigitte Macron, 24 anos mais velha.

No sábado, um seguidor publicou uma fotografia de Macron e Bolsonaro acompanhados das respetivas mulheres, com a legenda: “Agora entendem por que Macron persegue Bolsonaro?”. O presidente brasileiro respondeu: “Não humilha cara. Kkkkkkk”, fazendo referência às diferenças de idades entre os dois casais. Brigitte Macron tem 66 anos e Michelle Bolsonaro tem 37.

A publicação foi criticada pela imprensa francesa que acusou o presidente brasileiro de ser sexista. A diferença de idades já foi usada contra Macron pelos seus adversários durante as eleições de 2017, mas o presidente francês rematava dizendo que, se ele tivesse 20 anos a mais, “ninguém pensaria por um segundo que não poderíamos estar legitimamente juntos”.

O conflito entre os dois presidentes teve inicio depois de Macron ter criticado Bolsonaro pela falta de inação no combate aos fogos na Amazónia. O presidente francês considerou que a Amazónia precisa de uma melhor gestão para acabar com o “ecocídio” que está a acontecer na floresta amazónica, e ameaçou opor-se ao acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul. Esta tomada de posição do presidente francês não foi bem recebida pelo seu homólogo brasileiro que acusou Macron de “mentalidade colonialista” e de querer usar os fogos para proveito político próprio.

Ler mais
Relacionadas

Incêndios na Amazónia: Alemanha e França querem mobilização para ajudar Brasil

Fogos florestais que estão a devastar a Amazónia impuseram-se à última hora na agenda da cimeira, com Macron a evocar uma “crise internacional”.

França e Irlanda contra acordo do Mercosul. Merkel apoia decisão de Macron

“As decisões e comentários do Brasil mostram que o presidente Bolsonaro decidiu não respeitar os seus compromissos com o clima ou a biodiversidade”, disse um responsável francês à AFP.

Amazónia: Bolsonaro aponta dedo a ONGs e governadores por “incendiarem” floresta e não “mexerem uma palha”

Numa entrevista, o presidente afirma que os incêndios podem ser uma resposta ao corte do financiamento às organizações não governamentais por parte do governo e argumenta que os fogos têm o objetivo de manchar a imagem do Brasil.

Amazónia: Macron acusa Bolsonaro de mentir e diz-se contra o acordo UE-Mercosul

O Presidente de França, Emmanuel Macron, acusou esta sexta-feira o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, de mentir em matéria de compromissos ambientais e anunciou que, nestas condições, França vai votar contra o acordo de comércio livre UE-Mercosul.

“Dia do fogo”. Criadores de gado suspeitos de atear fogo à Amazónia

Esta iniciativa pode estar na origem das chamas que devastam uma vasta área florestal. Jair Bolsonaro já admitiu não ter recursos para combater os fogos e pede às nações internacionais para não interferirem.

Amazónia: Bolsonaro acusa Macron de ter “mentalidade colonialista”

O presidente do Brasil criticou o seu homólogo francês que na quinta-feira lançou o apelo para que os incêndios na Amazónia sejam debatidos na cimeira do G7, que se realiza este fim de semana em França, por se tratarem de “uma crise internacional”.
Recomendadas

Brasil deverá ultrapassar marca dos 100 mil mortos este fim de semana

Segundo as estimativas do consórcio de jornalistas brasileiro, demorou cerca de três meses até serem contabilizadas as primeiras 50 mil mortes e apenas 50 dias para que esse valor se voltasse a repetir.

Explosões em Beirute. Perto de 160 mortos e mais de 6 mil feridos

O ministério reviu em baixa o número de pessoas desaparecidas, indicando existirem 21, quando até agora tinha referido várias dezenas.

Mais de 60 pessoas continuam desaparecidas após a explosão em Beirute

Passaram quatro dias desde a explosão no porto de Beirute, no Líbano, que devastou a cidade e matou mais de 150 pessoas.
Comentários