‘Made in Portugal’. Pandemia aumentou consumo de produtos nacionais

“Viu-se uma aposta na portugalidade e no quilometro 0”, disse o presidente da Portugal Foods, Amândio Santos durante a primeira conferência do ciclo “Conhecer para Decidir, Planear para Agir” na qual o Jornal Económico foi ‘media partner’.

Embora tenha causado estragos na economia nível mundial, a pandemia potencializou a relação entre os produtores e a indústria tendo, consequentemente, impulsionado a venda e distribuição de produtos nacionais interna e externamente.

“No início do confinamento na Europa foi muito complexo. Houve uma rutura total das cadeias de abastecimento que nos levou a perceber a importância dos produtos próximos de nós”, disse o presidente da Portugal Foods, Amândio Santos durante a sua intervenção na primeira conferência do ciclo “Conhecer para Decidir, Planear para Agir” que teve como tema “Conhecimento e inovação na década da transição digital”, que decorreu esta quarta-feira e na qual o Jornal Económico foi media partner.

“Viu-se uma aposta na portugalidade e no quilometro 0”, continuou. “O local tem hoje um valor emocional que é transformado em valor económico para as empresas”, reforçou, acrescentando que com esta aposta no made in Portugal também o consumidor passou a optar por produtos de origem nacional.

De acordo com o Observador Cetelem Consumo 2020, a maioria dos portugueses inquiridos (52%) aponta que o consumo de produtos nacionais é um “dever”, enquanto 30% admite que este é um desafio proposto pelos mesmos de forma a consumir mais Portugal.

Perto de 49% dos portugueses inquiridos apontam que o consumo de produtos nacionais é “prioritário” e 45% definem o consumo de produtos portugueses como “importante”.

Segundo Ondina Afonso, presidente do Clube de Produtores Continente, a chegada do Covid-19 influenciou muitos consumidores a fazer uma alteração na alimentação. Entre a cadeia de supermercados da Sonae, a responsável revelou que se registou um aumento da procura por citrinos, por estarem relacionados com a vitamina C, e legumes, o que por sua vez, permitiu que houvesse um crescimento nas vendas.

“Esta mudança de consumo de padrões e a valorização daquilo que é a produção nacional foi importante para crescer vendas”, explicou, acrescentando que desta forma, foi “possível manter os níveis de abastecimento como se nada estivesse a acontecer”, acrescentou.

Recomendadas

PremiumPortugal Fresh visa novos mercados para exportações

Dentro e fora da Europa, os futuros alvos de Gonçalo Santos Andrade são a China, Índia, México, Polónia, Estónia, Letónia e Lituânia. Outro objetivo é consolidar as exportações para os maiores países da União Europeia.

Ministra da Agricultura promete divulgar até ao fim do ano conclusões do estudo da EDIA sobre regadios

Maria do Céu Antunes foi à Fruit Attaction, em Madrid, dizer que o PNI – Plano Nacional de Investimento 2030 prevê 750 milhões, em partes iguais, para investimento na melhoria e ampliação de sistemas atuais de rega coletiva e para a construção de novas áreas de regadio.

Sector nacional das frutas e legumes deverá fechar 2021 com 1.700 milhões de euros de exportações

Gonçalo Santos Andrade, presidente da Portugal Fresh, lidera a representação portuguesa na edição deste ano da Fruit Attraction em Madrid, após um interregno de um ano devido à Covid-19. O objetivo de exportações do sector até 2030 é chegar ao montante de 2.500 milhões de euros.
Comentários