Mapfre fora da corrida à Tranquilidade, Catalana Occidente é a candidata espanhola

Assim estão na corrida, a Ageas, a Allianz, a Generalli e a Catalana Occidente. O vencedor deverá ficar escolhido até ao fim do mês.

A Mapfre desistiu da Tranquilidade. O presidente da companhia António Huertas, disse aos jornais espanhóis que depois de estudar a informação financeiras disponibilizada  decidiu não avançar e retirar-se da corrida  por não concordar com o preço pedido.

O Cinco Días noticia que a Mapfre desistiu do projeto de crescer em Portugal através da compra da Tranquilidade, colocada à venda pelo fundo Apollo por cerca de 500 milhões de euros.

Huertas disse que depois de estudar a informação disponível no data room, a seguradora decidiu não apresentar uma oferta vinculativa, retirou-se da corrida devido ao preço elevado pelo qual a empresa portuguesa foi avaliada.

Na corrida estará agora a Catalana Occidente. Este é a seguradora espanhola na corrida, segundo fontes do mercado depois de ser conhecido que há quatro propostas vinculativas para a compra das companhias Tranquilidade e Açoreana, tal como revelou o Jornal Económico na semana passado. O Eco avançou com o nome da seguradora espanhola que desde a semana passada corre no mercado.

A confirmar-se que a Catalana Occidente está na corrida têm propostas vinculativas em análise, a Ageas, a Allianz, a Generali e a Catalana Occidente. Segundo fontes do mercado esta seguradora espanhola terá feito uma das propostas mais altas, em termos de preço.

A mesma fonte refere que a Allianz está em último lugar na hierarquia das propostas e por isso estará afastada da operação.

Não foi possível confirmar o nome dos interessados, junto da Tranquilidade, nem a valorização das propostas.

A norte-americana Apollo Global Management quer chegar a um acordo de venda até ao fim deste mês.

A seguradora Tranquilidade foi comprada pelo fundo Apollo ao Novo Banco em 2015, por cerca de 50 milhões e é o ativo mais valioso da Seguradoras Unidas.

Em 2015, o negócio e venda da seguradora foi fixado em torno de 215 milhões de euros, dos quais 50 milhões de euros em dinheiro e mais de 150 milhões para reforçar os capitais da instituição, segundo notícias da altura. Segundo fontes do setor, a Apollo avaliará agora a Tranquilidade entre 500 milhões e 600 milhões.

A seguradora que era do Grupo Espírito Santo tem 1,4 milhões de clientes (entre particulares e empresas) e trabalha com uma rede de distribuição de mais de 2.500 pontos de venda – 80 corretores, 2.100 agentes multimarca e 400 agentes exclusivos.

Ler mais
Relacionadas

PremiumFundo Apollo com quatro ofertas vinculativas para Tranquilidade e Açoreana

A operação de venda da Seguradoras Unidas está na reta da meta. A Ageas terá a melhor proposta, mas ainda não está escolhido o vencedor.
Recomendadas

UTAO: Novo Banco atira défice para 0,8% do PIB no 1.º semestre

O valor estimado pela UTAO para o semestre fica aquém da meta do Governo para o conjunto do ano, de 0,2% do PIB, “sem, contudo, colocar em causa o seu cumprimento”, consideram os técnicos do parlamento.

BCP convoca assembleia de obrigacionistas para discutir fusão do BII

A assembleia geral de obrigacionistas realizar-se-à no dia 21 de outubro, pelas 9h00, no edifício 5 do Taguspark, onde se situam as instalações do banco. BCP garante que a fusão não terá impacto para os trabalhadores do BII e que a sua incorporação contabilística no banco liderado por Miguel Maya será considerada a partir do dia 1 de janeiro de 2019, se entretanto a operação for autorizada pelo Banco Central Europeu.

BCE analisa auditoria do BCP sobre contratação de ex-assessor de Pinho, mas idoneidade de Paulo Macedo não está em avaliação

A idoneidade de Paulo Macedo enquanto presidente da CGD não está a ser avaliada. O que está a ser estudado é se o caso da contratação de João Conceição tem motivos para abrir um processo de Fit & Proper.
Comentários