Maior ameaça à democracia é “deixarmos de acreditar que funciona”, diz comissária europeia

A comissária com a pasta dos Valores e Transparência, Věra Jourová, considera que os democratas têm de fazer “mais esforço” para travar o crescimento dos movimentos antidemocráticos e “convencer as pessoas de que a democracia funciona”.

A vice-presidente da Comissão Europeia Věra Jourová referiu esta quarta-feira que a maior ameaça à democracia na Europa é os cidadãos “deixarem de acreditar que funcionar”. A comissária com a pasta dos Valores e Transparência considera que os democratas têm de fazer “mais esforço” para travar o crescimento dos movimentos autoritários e antidemocráticos e “convencer as pessoas de que a democracia funciona”.

“A maior ameaça para a democracia na Europa é deixarmos de acreditar que funciona. Ouvimos isto de diferentes Estados-membros e partes da sociedade: a democracia não funciona porque não veem justiça ou estabilidade suficiente”, referiu Věra Jourová, num painel sobre com o tema “Protegendo a democracia na UE”, no primeiro dia da Web Summit 2020 (que este ano é exclusivamente online).

Para Věra Jourová, os democratas têm uma “tarefa difícil” na defesa da democracia e dos seus valores, mas alerta que é preciso “mais esforço para convencer as pessoas de que a democracia funciona”, tendo em conta o crescimento dos autoritarismos e dos partidos antissistema na Europa e no mundo.

“Este é um momento crítico para a Europa porque, se desvalorizarmos a importância da democracia, teremos um grande problema para manter a sociedade a funcionar”, salientou.

Questionada sobre os desafios que a Internet e as redes sociais trouxeram para a democracia e o seu equilíbrio com a desinformação, Věra Jourová disse: “Ouvi tantas descrições negativas sobre como a  Internet está a colocar a nossa vida em risco. Mas há tantas coisas positivas: educação, conhecimento, abertura de mentes e de horizontes. A Internet e as redes sociais foram feitas para ligar pessoas e nos dar conhecimento”.

Reconheceu, no entanto, que há “maus atores usarem este espaço” e que a desinformação consegue ser “mais subtil” do que os conteúdos ilegais. “O tempo do mundo desregulado está a chegar ao fim. Estamos a preparar a regulação”, garantiu, explicando que a regulação da Internet e redes sociais “não continuar na base de simples acordos amigáveis” e prometendo que esse processo será “inclusivo” e “justo”.

Ler mais
Recomendadas

Web Summit. Tóquio2020 vão ser os primeiros Jogos da 4.ª revolução industrial, realça COI

Com medalhas feitas com material eletrónico reciclado, veículos sem condutor com zero emissões poluentes, a rede de quinta geração (5G), a realidade aumentada e a robótica, Tóquio2020 vai “exibir universalidade, sustentabilidade e tecnologia”, e dará uma “mensagem de esperança e resiliência” ao mundo”, assinalou Thomas Bach, presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), na Web Summit.

Web Summit. “Anseio estar convosco em Lisboa em 2021”, diz Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo Rebelo de Sousa despediu-se da maior cimeira de tecnologia do mundo com o forte desejo e convicção de que em 2021 volte o formato presencial, sublinhando a importância do contacto presencial, mas também de uma edição tão marcante como esta.

Web Summit. Membro da Comissão Federal de Eleições desvaloriza “teoria da conspiração” sobre fraude eleitoral

Ellen Weintraub sublinhou que a polarização de Washington se faz sentir sobretudo numa agência dividida a meio entre os dois partidos e que as declarações do presidente da Comissão não são censuráveis, mas preocupam-na por “não terem qualquer tipo de fundamento”.
Comentários