Maioria dos patrões revela que é fácil despedir em Portugal

Instituto Nacional de Estatística (INE) elaborou um estudo sobre os custos de contexto da economia portuguesa, onde 47% dos gestores indica que as barreiras para o despedimento são poucas, ou nenhumas.

Cerca de 47% dos patrões em Portugal considera não sentir grandes obstáculos para despedir trabalhadores. Os dados são do Instituto Nacional de Estatística (INE) e revelados pelo “Jornal de Notícias”, (JN). Este inquérito foi realizado entre 2015 e 2017, a 5.060 sociedades não financeiras portuguesas.

O estudo teve por base nove tipos de custos de contexto da economia portuguesa: além dos despedimentos que surge enquadrada nos recursos humanos, foram também analisados o sistema judicial, licenciamentos, sistema fiscal, início de atividade, carga administrativa, barreiras à internacionalização, indústrias de rede e financiamento.

Entre os setores nos quais os gestores dizem sentir menos dificuldades para efetuar despedimentos, destacam-se os transportes, informação e comunicação (53%), indústria (48,8%) e comércio e reparação de veículos (47,8%).

Em sentido inverso aparecem os empresários ligados ao alojamento e restauração (37,5%), energia, água e saneamento (35,6%) como aqueles que mais dificuldades sentem para despedir funcionários.

Recomendadas

Poupar ou investir? Saiba como gerir o reembolso do IRS. Veja o “Economize”, programa de finanças pessoais

Acompanhe o “Economize” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

Saiba algumas das medidas aprovadas para reagendamento de eventos

Tem bilhete para um festival ou espectáculo de Verão? Saiba que foram aprovadas novas medidas que contemplam os casos especiais de reagendamento de eventos inicialmente marcados para 2020 e, que, face à evolução da pandemia apenas ocorram em 2022, bem como espetáculos em 2021. Mas, e porque a DECO está preocupada com os direitos e […]

“Desigualdade nas comissões bancárias não preocupa Provedoria de Justiça”, diz Deco

A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco) alerta que a  lei que proíbe a cobrança de comissões pelo processamento de prestações de crédito discrimina milhões de consumidores. Treze milhões de contratos de crédito ficam de fora das novas regras. Deco diz que denunciou esta desigualdade à Provedoria de Justiça, mas que não foi ouvida.
Comentários