Maioria dos portugueses aproveitou ano da pandemia para apostar na formação

As formações na área da tecnologia — big data, redes e sistemas, cloud computing, cibersegurança — e na área empresarial – gestão marketing e comunicação – foram as mais procuras, de acordo com um estudo da Rumos.

A aposta na formação profissional nunca foi tão importante, e isso verificou-se durante o ano de 2020. De facto, o inquérito realizado pela Rumos demonstra que hoje, mais do que nunca, a requalificação dos colaboradores é essencial sendo que, em Portugal, 96,3% dos inquiridos afirma ter realizado formação em 2020.

Segundo a empresa portuguesa de formação e certificação técnica do grupo, o número de profissionais requalificados “aumentou substancialmente no último ano”, o que pode ser justificado pelo “aumento do número de empresas a conseguir reconhecer a sua responsabilidade na redução do défice de qualificação dos seus colaboradores”.

O estudo “Como será o desenvolvimento das competências profissionais em 2021?”, desenvolvido em colaboração com a Flag e a Galileu, indica, no entanto, que apesar da mais-valia que a formação apresenta tanto para o negócio, como para os colaboradores, ainda é “difícil para os gestores e responsáveis por planos de formação (L&D, sigla em inglês) delinear e implementar planos de formação eficazes”. Esta dificuldade deve-se sobretudo à falta de tempo — 61% dos L&Ds e 47% dos profissionais de IT afirmam que a carga de trabalho diário não permite ter disponibilidade para a participar em ações de formação.

As restrições orçamentais também desempenham um papel para 40% dos inquiridos que afirmam que a falta de orçamento impede a aquisição de conhecimento e desenvolvimento de novas capacidades. No entanto, para 2021, em Portugal, 30% dos inquiridos afirmaram que vão aumentar o seu investimento em formação.

Com a elaboração deste estudo, foi também possível identificar que o plano de formação das empresas é elaborado, maioritariamente (57%), com base na realização prévia de um levantamento de necessidades de formação, tanto por sugestão das chefias (48%) como dos próprios colaboradores (45%).

Entre as principais prioridades reportadas pelas empresas portuguesas para o ano de 2021 destacam-se as áreas tecnológicas de programação, big data, redes e sistemas, as relacionadas com cloud computing e, sobretudo, o desenvolvimento de competências em cibersegurança. No campo das competências empresariais, denota-se uma maior preocupação nas áreas de gestão, marketing e comunicação.

Por causa da pandemia, o ensino não presencial tornou-se na norma e essa parece ser a tendência para o futuro. Neste estudo, a Rumos indica que foi possível apurar que apenas 10% dos inquiridos pretende realizar formações presenciais em 2021 e apenas 3% pretende optar exclusivamente pelo formato presencial, crescendo a preferência por formatos híbridos, ou seja, de formação síncrona e assíncrona.

Os profissionais inquiridos destacam ainda, como aspetos positivos da experiência de formação online, a flexibilidade horária e melhor gestão do tempo (47%), a ausência de deslocações (26%), o acesso a uma maior diversidade de temas e disponibilidade de conteúdos (24%), a flexibilidade geográfica (18%) e a comodidade (14%).

Recomendadas

Plano de Formação Financeira aposta na formação financeira digital e na sensibilização para a sustentabilidade

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros quer reforçar parcerias e apostar no digital. O Plano Nacional de Formação Financeira para o horizonte 2021-2025 define três dimensões estratégicas de atuação: reforçar a resiliência financeira; promover a formação financeira digital; e contribuir para a sustentabilidade.

Conheça as novas datas do calendário escolar 2021/2022

O calendário escolar foi ajustado devido à “semana de contenção de contactos. Os cinco dias de atraso no arranque do 2.º período serão compensados com aulas na segunda e quarta de Carnaval e com três dias de aulas no início das férias da Páscoa.

Fundação José Neves tem mais de mil bolsas de estudo disponíveis para universidades públicas e politécnicos

As candidaturas para os alunos desses cursos estão abertas até ao dia 15 de dezembro e a FJN tem disponíveis cerca de 1,3 milhões de euros para investir no pagamento de propinas até final do ano.
Comentários