Maioria dos portugueses confia na televisão e rádio

No entanto, apenas um em cada quatro cidadãos nacionais confia nas redes sociais, de acordo com o Eurobarómetro de outono.

A televisão e a rádio são os meios de comunicação social nos quais os cidadãos portugueses mais confiam quando procuram/consultam notícias e outros conteúdos e correspondem igualmente às suas principais fontes de informação sobre política nacional e sobre a União Europeia, de acordo com o Eurobarómetro nº90, divulgado pela Comissão Europeia esta segunda-feira.

Segundo a análise da representação da Comissão Europeia em Portugal (com base de trabalhos de campo realizados entre os dias 8 e 19 de novembro de 2018), 68% dos cidadãos nacionais “tendem a confiar” nestes media tradicionais, uma percentagem que está acima da média da União Europeia. Quando confrontada com a confiança na internet e nas redes sociais, 41% e 26% da população portuguesa inquirida mostrou confiança nestas plataformas digitais – um número, mais uma vez, maior do que o conjunto dos Estados-membros.

No entanto, a pouca confiança nestas plataformas digitais pode estar relacionada com o facto de os portugueses se destacarem dos outros europeus por estarem menos conscientes da exposição a notícias falsas, menos preparados para identificá-las e menos preocupados com este fenómeno. Menos de metade (48%) admitiu que tem facilidade em identificar «fake news». “O facto de menos de metade dos cidadãos nacionais inquiridos afirmar ser capaz de identificar notícias deturpadoras da realidade ou falsas é preocupante e merece maior atenção”, refere a investigação da autoria de uma equipa composta por José Santana Pereira, do ISCTE, e Patrícia Silva, da Universidade de Aveiro.

O documento mostra que os grupos sociodemográficos que menos frequentemente se afirmam capazes de identificar informação falaciosa são os compostos por pessoas com mais de 55 anos (34%), por quem deixou de estudar com 15 anos ou menos (35%), por aqueles que se definem como pertencendo à classe trabalhadora (35%) e, sobretudo, pelas domésticas (10%).

Confiança nos media tradicionais, internet e redes sociais

*percentagem de indivíduos que «tendem a confiar»

 

Fonte: Eurobarómetro

 

Portugal é o segundo país europeu onde mais se confia nas notícias

Ler mais
Relacionadas

Portugueses pessimistas. Apenas 29% acredita que a economia vai melhorar

Para a generalidade da população nacional, os principais problemas que o país enfrenta são sobretudo três: na saúde e na Segurança Social (33%), o risco de aumento do preços e do custo de vida / inflação (32%) e o desemprego (27%), segundo o último Eurobarómetro.

Aposta dos media está a mudar para a qualidade e conteúdos pagos

Reação às crises das “fake news” parece indicar a construção de novas tendências, que passam menos pelas consumo nas redes sociais. Portugal está no topo da confiança nas notícias, mas com os meios tradicionais sob pressão financeira.
Recomendadas

Pais com direito a 66% do salário para ficar em casa a tomar conta de crianças até 12 anos

Os pais que não estejam em teletrabalho vão ter direito a faltas justificadas para ficar a cuidar dos filhos durante os 15 dias em que as escolas vão estar fechadas.

Costa anuncia fecho das lojas do cidadão e suspensão dos prazos para processos judiciais não urgentes para os próximos 15 dias

Relativamente aos serviços públicos, o chefe do Governo anunciou que irão manter-se “exclusivamente em funcionamento o atendimento por marcação nos demais serviços”.

Covid-19: Portugal comprou doses de vacinas suficientes para mais de 18 milhões de pessoas

Portugal já adquiriu 31 milhões de doses de vacinas para inocular os cidadãos contra o novo coronavírus. Ministério da Saúde explica que as 800 mil doses adicionais da vacina da Moderna não foram compradas porque seriam entregues apenas no final do ano.
Comentários