Mais de 30% dos portugueses fará mais compras online depois do confinamento, diz estudo

Mais de 50% dos portugueses afirma ter realizado mais compras online durante o confinamento, consolidando o boom do eCommerce e contribuindo para a reinvenção do comércio tradicional. Uma tendência que parece ter vindo para ficar depois do confinamento, , com 32% dos portugueses afirmou que planeia fazer as suas compras de forma online com mais frequência do que antes, revela “Estudo MARCO: Hábitos de Consumo Pós Covid-19”.

O boom do e-Commerce parece ter vindo para ficar depois do confinamento. Mais de 50% dos consumidores portugueses afirma ter realizado mais compras online durante este período de crise. Esta tendência também foi relevante na América Latina (65%), na Espanha (60%) e, de forma especialmente destacada em Itália (81%). Na fase de desconfinamento, 32% dos portugueses admite que fará mais compras online. As conclusões são da consultora de comunicação MARCO e constam no “Estudo MARCO: Hábitos de Consumo Pós Covid-19” que tem por base um questionário internacional entre mais de 4.500 pessoas de Espanha, Itália, Portugal, México, Colômbia e Brasil.

“O início do desconfinamento ao nível nacional é o primeiro passo para a “nova normalidade”. Esta fase será marcada por importantes mudanças adotadas pelos cidadãos portugueses e no resto dos países afetados pela Covid-19”, avança em comunicado a consultora de comunicação MARCO que sinaliza que uma das principais conclusões do “Estudo MARCO: Hábitos de Consumo Pós Covid-19” aponta que 76% dos cidadãos dos países em questão mudaram definitivamente os seus hábitos de consumo.

Segundo o estudo da consultora com sede em Madrid, divulgado nesta terça-feira, 2 de junho, o boom do e-Commerce parece ter vindo para ficar depois do confinamento. Mais de 50% dos consumidores portugueses afirma ter realizado mais compras online durante este período de crise. Esta tendência também foi relevante na América Latina (65%), na Espanha (60%) e, de forma especialmente destacada em Itália (81%).

“Depois do confinamento, 32% dos portugueses afirmou que planeia fazer as suas compras de forma online com mais frequência do que antes”, conclui o “Estudo MARCO: Hábitos de Consumo Pós Covid-19”, adiantando que, contudo, esta percentagem é a mais baixa em comparação às outras regiões e países analisados: países Latino-americanos (51%), Espanha (40%) e a Itália (82%).

“Consequentemente, este crescimento tem um impacto no setor retalhista. Assim sendo, a tendência será uma maior aposta nas vendas e marketing online. Haverá também consequências na adaptação do novo modelo de logística para os retalhistas”, sinaliza o estudo.

Televisão foi o canal de informação privilegiado durante o confinamento

Já sobre os canais de informação, o estudo conclui que durante o confinamento, 85% dos portugueses optou por manter-se informado através da televisão. 67% escolheu a imprensa online, e 47% assinalou o Facebook também como fonte de informação. Só depois elegeram a rádio e Whatsapp (18% cada), Imprensa offline (5%) e LinkedIn (2%).

Por outro lado, adianta o “Estudo MARCO: Hábitos de Consumo Pós Covid-19”,  também foi possível analisar as preferências dos portugueses em termos de plataformas e opções de entretenimento durante a quarentena. Assim, 83% dos portugueses afirmou que durante este período conseguiu ver mais TV do que antes, 54% referiu poder dedicar mais tempo do que antes à Netflix, e 34% disse ter-se ocupado mais com videojogos. Já 15% disse ter tido mais possibilidade de ver HBO e 5% a Amazon Prime Video.

Controlo dos meios de comunicação e redes sociais

Segundo os dados do ‘Estudo MARCO: Hábitos de Consumo Pós COVID-19’, a perceção de censura e controlo dos meios de comunicação e redes sociais desde o início da crise é diferente de região para região. Enquanto em Portugal apenas 30% dos portugueses acredita que há controlo dos meios e redes sociais, em Itália e no Brasil esta percentagem já se situa nos 40% e 47%, respetivamente. E em países de língua oficial espanhola, o sentimento de que existe um controlo e censura aumenta, com o “sim” a ultrapassar mais de metade das respostas: Espanha (54%), México (59%) e Colômbia (61%).

Outra conclusão do estudo aponta para que mais de metade dos portugueses (53%) admite não concordar com o regresso às aulas presenciais para estudantes em anos letivos específicos, como é o exemplo dos alunos dos 11.º e 12.º anos de escolaridade, enquanto os restantes alunos permanecem em regime de escola virtual.

E ao nível do turismo, “87% dos portugueses vão preferir optar por destinos nacionais para as próximas férias”.

Ler mais
Recomendadas

Que fatores deve considerar se contratar um seguro contra sismos

As seguradoras para estabelecerem o valor concreto do contrato calculam os dados através da utilização de uma tabela que classifica cada concelho do país e regiões e que as organiza por cinco escalões. Perante um risco elevado, muitas seguradoras recusam até mesmo efetuar um contrato deste calibre, pois apresentam fortes indícios de perda financeira.

Incerteza leva famílias portuguesas a poupar mais

A taxa de poupança das famílias deverá continuar em rota ascendente este ano. Por outro lado, a pandemia não altera o perfil de investidor tipicamente conservador das famílias portuguesas.

Aprovada proposta do Governo para mora no pagamento de renda dos contratos não habitacionais até 31 de dezembro

A nova lei define que os donos de estabelecimentos, forçados a encerrar devido à pandemia, possam usufruir de moratória até 31 de dezembro
Comentários