Mais de 70% das startups estão a operar normalmente e algumas antecipam expansão

Quase metade das empresas inquiridas num estudo da EY, SAP e Startup Portugal consideram que as medidas de apoio mais úteis neste momento seriam incentivos e isenções fiscais.

A maioria das startups com sede em Portugal (71,8%) está a laborar normalmente e mostra, generalidade, otimismo em relação à recuperação económica, o que se reflete no facto de algumas (40%) anteciparem uma expansão nos negócios.

A conclusão é de um estudo elaborado pela Startup Portugal em colaboração com a consultora EY e a tecnológica SAP, que demonstra também que 40% das startups inquiridas prevê aumentar os investimentos apesar da pandemia e cerca de 30% mantê-los ou reduzi-los. O relatório, intitulado “Impacto da Covid-19 no Ecossistema de Startups Nacional”, aponta para apenas 2,3% da amostra a colocar o “encerramento” em cima da mesa.

“Não obstante as condições adversas e alteração de consumo, as situações de crise traduzem-se, muitas vezes, como cenários ideais para a inovação, criando novas necessidades e aumentando exponencialmente o potencial de determinados modelos de negócio, nomeadamente do e-commerce, e a procura de determinados bens de consumo, como é o caso do home entertainment”, pode ler-se no documento.

É o caso das 42,3% empresas participantes para as quais o confinamento gerou novas oportunidades de negócio, o que nos remete para o período da Grande Recessão (2007-2009), período em que mais de metade das empresas da Fortune 500 iniciaram atividade e nasceu meia centena de unicórnios.

Mas nem tudo são mares de rosas, porque o novo coronavírus trouxe diminuição das vendas, adiamento ou atraso de projetos e necessidades de apoio extraordinário. Dos 33,1% gestores que admitiram ter recorrido a uma ou mais medidas de auxílio, as que tiveram maior adoção foram o fracionamento do pagamento de obrigações fiscais e a adesão ao regime de lay-off (24,3%) e ao programa ADAPTAR (13,5%).

Em relação ao financiamento, sem surpresas, a análise refere que mais de metade (51,4%) do financiamento previsto para 2020 – antes da pandemia – seria internacional e, uma vez que a maior fonte de capital de risco em Portugal vem do exterior (Estados Unidos, Reino Unido, França…) esse ‘balão de oxigénio’ pode estar em standy-by.

Que medidas solicitam as startups?

  • Incentivos e isenções fiscais
  • Oferta de novos apoios financeiros com o apoio da IFD
  • Oferta de novos apoios financeiros através de linhas de crédito tradicionais com garantia mútua
  • Diminuição da TSU para as microempresas Isenção de pagamentos à Segurança Social, nomeadamente durante o tempo em que os custos correntes se sobrepõem à faturação Acesso a Capital de Risco (Venture Capital)
  • Programas de apoio financeiro a fundo perdido Quadro legal e fiscal que permita uma maior competição com as startups internacionais
  • Ações de matchmaking entre startups e possíveis investidores Injeção direta de liquidez nas empresas com quebra acentuada de receita
  • Diminuição do limite de três mil euros para mil euros, a partir do qual podem ser pedidos os reembolsos do IVA
  • Redução do tempo de análise de pedidos de pagamento de incentivos a projetos em curso
  • O estudo em causa teve por base uma análise documentar e um inquérito por questionário, realizado entre os dias 17 de maio e 8 de junho de 2020, a mais de 200 fundadores e CEO de startups com sede em Portugal
Ler mais
Recomendadas

Linha de apoio a micro e pequenas empresas disponível a partir desta quarta-feira

Para se poderem candidatar, as empresas terão de apresentar uma quebra abrupta e acentuada de pelo menos 40% da sua faturação, e não poderão ter beneficiado das anteriores linhas de crédito com garantia mútua. A SPGM avisa que as empresas em dificuldades não podem ter sede em países ou regiões com regime fiscal mais favorável (‘offshore’)”.

Farmacêutica Pfizer inicia ensaio clínico com quase 30 mil participantes

A farmacêutica norte-americana Pfizer e a biotecnológica alemã BioNTech iniciaram um ensaio clínico de uma potencial vacina para a Covid-19 envolvendo cerca de 30 mil participantes, foi anunciado esta quarta-feira.

Facebook lança versão do Tik Tok através do Instagram

O Reels é a aplicação que a empresa de Mark Zuckerberg criou para fazer frente ao rival Tik Tok. O lançamento acontece dias depois sa Microsoft anunciar as negociações para adquirir as operações nos EUA da aplicação de video da ByteDance na China.
Comentários