Mais de 70% dos concursos públicos de arquitetura no sul sem valor da construção

A Seção Regional Sul da Ordem dos Arquitetos divulgou esta terça-feira que 72% dos concursos públicos lançados entre 2017 e 2019 não tiveram “qualquer definição do valor da construção na fase de projeto”, evidenciando “ausência de controlo de gastos públicos”.

A Seção Regional Sul da Ordem dos Arquitetos (OASRS) divulgou esta terça-feira que 72% dos concursos públicos lançados entre 2017 e 2019 não tiveram “qualquer definição do valor da construção na fase de projeto”, evidenciando “ausência de controlo de gastos públicos”.

Dos 88 concursos públicos de arquitetura e especialidades lançados na área de atuação da OASRS (a sul dos distritos de Coimbra e Castelo Branco, inclusive, e regiões autónomas) e que não contaram com a sua assessoria (68), “72% […] não têm qualquer definição do valor da construção na fase de projeto, verificando-se uma ausência de controlo dos gastos públicos”.

“Apenas 19 indicavam o valor estimado da obra a executar, correspondendo a 28% do total”, divulgou hoje a OASRS, que assinala também que nos concursos públicos sem a sua assessoria “o critério mais utilizado pelas entidades adjudicantes foi a proposta economicamente mais vantajosa”.

A secção regional da Ordem dos Arquitetos destaca que “em 65% dos concursos (44, em termos absolutos) considerou-se apenas o preço mais baixo e em 23% (16) foram tidos em conta outros critérios conjuntamente com o preço, nomeadamente um prazo muito curto para a execução dos projetos”.

“A opção pelo preço mais baixo enquanto critério para a adjudicação de serviços de arquitetura e especialidades desvaloriza o valor do trabalho das equipas e a qualidade das propostas”, denuncia a OASRS.

A secção revelou hoje que “somente em 12% dos concursos sem assessoria da OASRS (oito) a qualidade foi o critério de avaliação definido para a seleção das propostas vencedoras”.

Em termos de valores médios de contratação de projetos de arquitetura e especialidades, atingiram os 7,41% do valor total da obra nos procedimentos que contaram com a assessoria da OASRS, mas desceram para 2,50%, em média, nos que dispensaram a secção regional da Ordem.

A secção considera que o Código dos Contratos Públicos (CCP) “permite a utilização do preço mais baixo em projetos de arquitetura e especialidades como escudo de defesa de qualquer entidade adjudicante”.

“Tal reflexão leva-nos a equacionar a redação do legislador sobre este tipo de concursos e naquilo que ele prejudica”, acrescenta a OASRS, considerando que o atual CCP, “ao não fazer distinção entre a contratação de bens e serviços, entra em contradição com a defesa do interesse público no que respeita ao setor da construção”.

No entender da OASRS, com a atual redação, o CCP permite que “as entidades adjudicantes, por um lado, privilegiem o preço mais baixo para o projeto de uma obra pública, contribuindo para a destruição do tecido empresarial dos prestadores de serviços através das condições de contratação e, por outro lado, se demitam do controlo inicial dos custos de construção, gerando daí mais despesa e tempo mal gasto a curto e médio prazo”.

Ler mais
Recomendadas

Crédito para habitação cresceu 6,4% em Portugal de janeiro a julho deste ano

Ao nível da avaliação imobiliária na habitação efetuada para efeitos de crédito hipotecário apurou-se, em julho, um aumento de 8,0%, em termos homólogos, para 1.127 euros por metros quadrados, valor que corresponde a um novo máximo histórico, destaca a análise da AICCOPN.

Premium“Construtoras nacionais apenas ficam com 20% das obras públicas”, diz bastonário da Ordem dos Engenheiros

O desinvestimento em pessoas e equipamentos ao longo dos últimos anos foi tão grande que apenas 20% das obras públicas lançadas ficam em empresas portuguesas, afirma Carlos Mineiro Aires.

Concursos de obras públicas promovidos em Portugal subiram 20% até final de agosto

A última edição do barómetro do setor elaborado pela AICCOPN revela que os concursos de obras públicas promovidos em Portugal nos primeiros oito meses deste ano atingiram os 3.422 milhões de euros.
Comentários