Mais de 80% das casas em Portugal vendidas em menos de seis meses

Barómetro da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal destaca que “o setor imobiliário português vive um dinamismo que há muito não se verificava, sobretudo no que diz respeito ao segmento habitacional”.

De acordo com os dados divulgados no mais recente Barómetro Imobiliário da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), referente a dezembro de 2017,” mais de 80% dos imóveis transacionaram-se em menos de seis meses”, o que “confirma o bom momento do mercado”.

“É absolutamente fabuloso assistir a esta dinâmica, sobretudo quando comparada com aquela que existia há cerca de dois ou três anos, em que os ativos em carteira levavam até dois anos a ser transacionados”, afirma Luís Lima, presidente da APEMIP.

No levantamento realizado pelo gabinete de estudos da APEMI indicam-se também “as tendências do mercado, nomeadamente no que diz respeito aos valores de venda de ativos. Cerca de 55,6% das vendas foi de imóveis de preço até 175 mil euros, valores que, nas palavras do representante das imobiliárias ‘espelham o grosso das vendas feitas no mercado doméstico’.

Já no que diz respeito às tipologias mais vendidas, mais de metade (61%) recaiu sobre os T1 e T2, seguindo-se os T3 no topo das preferências dos portugueses com 31% das transações efetuadas”, destaca o mesmo documento.

Relacionadas

Avaliação bancária das casas sobe em dezembro e aproxima-se do máximo de 7 anos

O custo aumentou para 1.150 euros por metro quadrado, mais seis euros do que em novembro. O INE divulgou esta quinta-feira o Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação referente ao mês passado.
Recomendadas

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

Leia todas as edições do Jornal Económico, na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o Jornal Económico. Apoie o jornalismo independente.

Governo anuncia linha de crédito de 50 milhões para microempresas de gestão de eventos

Os 50 milhões de euros foram anunciados pelo ministro da Economia no Parlamento, num exemplo de uma das áreas que, não sendo óbvia, enfrenta enormes dificuldades por orbitar em torno de um setor muito condicionado pela pandemia, o turismo. 20% dos 50 milhões de euros desta linha poderá passar a fundo perdido caso empresas mantenham o emprego no próximo ano.

Fórum para a Competitividade prevê queda do PIB até 12% este ano

Para o próximo ano, a entidade liderada por Pedro Ferraz da Costa antevê uma recuperação do PIB entre 5% e 6%.
Comentários