Mais de metade das empresas com quebras no volume de negócios em 2020

Três quartos das empresas do alojamento e restauração registaram perdas no volume de negócios, enquanto mais de metade das empresas nos sectores dos transportes, serviços gerais, grossistas, retalho e indústrias apresentaram quebras.

Mais de metade das empresas apresentaram quebras no seu volume de negócio em 2020. Cerca de um terço das empresas em análise admitiu ainda que o seu volume de negócios recuou mais de 20% face a 2019, avança o Informa D&B depois da análise aos resultados das empresas em 2020.

A análise do Informa D&B avança que a pandemia afetou “de maneira muito distinta os diversos sectores de atividade, que em muitos casos conduziu a grandes condicionamentos na atividade das empresas, ou mesmo à total interrupção, como forma de combater a própria pandemia”.

Três quartos das empresas do alojamento e restauração registaram perdas no volume de negócios, enquanto mais de metade das empresas nos sectores dos transportes, serviços gerais, grossistas, retalho e indústrias apresentaram quebras.

Ainda assim, e a contrastar com as quedas, há empresas de todos os sectores de atividade que viram o seu negócio crescer em 2020. A construção, as tecnologias de informação e comunicação e a agricultura vira mais de 40% das empresas registar crescimento.

“A análise dos subsectores mostra que todos os subsectores do alojamento e restauração tiveram uma elevada percentagem de empresas a decrescer significativamente o seu negócio. Noutros sectores, destacam-se os subsectores dos serviços turísticos e o retalho de têxtil e moda”, avança o barómetro.

“Contrariamente, os subsectores que mais viram as suas empresas crescer foram o retalho generalista, algumas atividades do sector da construção e das TIC, fruto da crescente procura de soluções informáticas de telecomunicações neste período”, detalha.

Recomendadas

PremiumRuben Eiras: “Solar e eólicas offshore serão mais competitivas que o nuclear em 2040”

A massificação da produção de hidrogénio não dependerá da eletricidade gerada pelo nuclear, admitiu o ex-diretor-geral da Política do Mar e secretário geral do Fórum Oceano ao Jornal Económico.

Crescimento da economia deverá ficar acima dos 4,5% em 2021

O novo cenário macroeconómico que acompanhará a proposta do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) também trará uma revisão em alta das perspetivas para o mercado de trabalho, já que as expectativas sobre a evolução do emprego e o desemprego são mais positivas do que o Governo antecipou quando apresentou o Programa de Estabilidade.

Autárquicas: António Costa promete que os municípios terão mais mil milhões de euros

“O Estado não passa responsabilidades na educação, na saúde ou não ação social, sem transferir também para os municípios os recursos financeiros necessários para que possam exercer essas competências”, afirmou o líder socialista num comício da candidatura do PS naquele município liderado pelo empresário e engenheiro civil Manuel Machado, que se candidata pela terceira vez.
Comentários