Mais jovem português na FIBA responsável pelo marketing do Mundial da China este ano

Mundial de Basquetebol de 2019 vai realizar-se na China entre 31 de agosto a 15 de setembro. Edgar Gonçalves é o mais jovem português a trabalhar na FIBA e traça ao Jornal Económico quais os desafios de organizar esta competição na China.

Edgar Gonçalves é o mais jovem português na FIBA, com sede em Genebra (Suíça) e o único a trabalhar no departamento de marketing que, este ano, está a concentrar todos os esforços para a realização do Mundial que vai ter lugar na China de 31 de agosto a 15 de setembro.

“Sempre joguei basquetebol em Portugal e daí a procura do sonho fora do campo, mas dentro do mundo basquetebolístico. A minha formação académica até ao Mestrado foi em terras lusas – a mudança disruptiva foi no mestrado internacional”, explica Edgar Gonçalves em entrevista ao Jornal Económico.

A oportunidade para trabalhar na FIBA ao nível do marketing surgiu após culminar duas etapas académicas: Licenciatura na Faculdade de Economia da Universidade do Porto e o Mestrado em Gestão Desportiva e Marketing em Veneza (Itália) na Ca’ Foscari University. Tendo este Mestrado sido criado entre a universidade e a Liga Europeia de Basquetebol – EuroLeague (com sessões presenciais em Barcelona e Istambul) e tendo o jovem português atingido a nota máxima no projeto final (algo que nunca acontecido em onze edições). “Neste contexto”, explica Edgar Gonçalves ao Jornal Económico, “surgiu a oportunidade de ingressar a Federação Internacional de Basquetebol (FIBA) ao receber o convite para me candidatar ao cargo de Trainee da equipa FIBA Marketing. Ao fim de um processo de seleção com três entrevistas, fiz as malas em direção à Suiça!”.

Desde que ingressou no órgão máximo do basquetebol internacional, em junho de 2018, deu apoio a uma série de áreas como o branding, licensing, ticketing e patrocínio em eventos como o próximo campeonato do mundo de basquetebol mas também no campeonato do mundo feminino assim como na edição sub-19 dos mundiais.

Desafio: organizar o Mundial na China

Para o Mundial de basquetebol que se vai realizar na China, Edgar Gonçalves coloca a fasquia no patamar mais alto: “o objetivo para a FIBA Basketball World Cup China 2019 é simples: tornar este um dos maiores eventos desportivos e de entretenimento de sempre!”. Para isso, já conta um número recorde parceiros globais (oito), desenvolveu uma série de atividades de promoção do evento junto dos parceiros e dos fãs (que se irão concretizar nos próximos meses) e já conta com Kobe Bryant como embaixador global do Mundial.

Organizar um Mundial na China é um autêntico desafio para a FIBA. Edgar Gonçalves explica quais as principais barreiras a ultrapassar: “os desafios passam naturalmente pela barreira cultural e da língua na comunicação e planeamento de um mundial que se irá realizar em oito diferentes cidades espalhadas pela China. Temas que vão desde bilheteira, transporte e segurança até ativação dos parceiros globais e nacionais nos jogos e Fan Zones são consideradas saída da zona de conforto no dia-a-dia para garantir uma abordagem que seja consensual. Apesar disso, a FIBA e o LOC (Local Organizing Comitee) já deu provas de uma sinergia com resultados acima da expectativa”. A menos de seis meses do início da competição (31 de agosto de 2019), existe muito trabalho para fazer, explica o especialista em marketing, “mas com a certeza que o produto FIBA tem um valor bastante diferente de 2014”.

Portugueses com impacto no mundo do basquetebol

“Não sendo notoriamente visível nos meios digitais e televisivos, existem portugueses com grande impacto no mundo basquetebolístico – quer a nível de arbitragem, coordenação técnica ou de gestão em várias ligas nacionais e internacionais”, esclarece Edgar Gonçalves sobre o impacto dos portugueses no contexto do basquetebol internacional.

O especialista em marketing esclarece que “como o produto “jogador” é, felizmente ou infelizmente, o que recebe maior reconhecimento torna-se difícil valorizar o trabalho “fora do campo” dos restantes portugueses que se destacam. Assim, e dentro do seio da FIBA, posso dizer que o nosso país está a ganhar consistentemente uma marca de excelência”.

Edgar Gonçalves destaca a organização “com sucesso” das competições júnior da FIBA durante cinco anos consecutivos, por parte da Federação Portuguesa de Basquetebol (FPB) e Associação de Basquetebol do Porto (ABP). “É Uuma marca histórica mundialmente. Este número demonstra o profissionalismo, compromisso e eficiência das pessoas que estão “por trás das cortinas””, define o português.

Português a jogar na NBA: para quando?

Apesar do sucesso de alguns portugueses no contexto basquetebolístico internacional, nunca um português conseguiu estrear-se na mais competitiva e milionária liga do mundo: a NBA. Uma realidade que pode ter os dias contados, realça Edgar Gonçalves. “Estou certo que esse passo está próximo! Nos dias de hoje felizmente temos oportunidades e portas abertas (digitais e presenciais) para que mercados como o espanhol, canadiano ou americano possam estar a par do “produto” português. Ter a “Ticha” Penicheiro como referência na liga homóloga feminina – WNBA – só pode motivar a próxima geração de líderes sociais a lutar por sonhos (supostamente) impossíveis”.

Ler mais
Recomendadas

“João Félix pode ser um jogador, como os ingleses chamam, ‘outstanding’”

Em entrevista ao programa ‘Jogo Económico’, Pedro Mil-Homens, responsável máximo pela formação do SL Benfica, mostrou convicção de que João Félix vai vingar no futebol internacional.

“Atlético de Madrid? Se fosse o João Félix este não seria o projeto desportivo que escolheria”

No programa ‘Jogo Económico’, Pedro Mil-Homens, o diretor da Caixa Futebol Campus, academia do SL Benfica, garantiu que, no lugar de João Félix, nunca escolheria o Atlético de Madrid como projeto desportivo.

“Jorge Jesus não deu consentimento para a entrada dos adeptos em Alcochete”, diz advogado do treinador

Em declarações ao Jornal Económico, Luís Miguel Henrique, responde às afirmações do advogado de um dos arguidos no processo, que esta segunda-feira referiu ter sido o técnico a permitir a entrada dos adeptos na Academia de Alcochete, e não Bruno de Carvalho.
Comentários