Mais medo de perder eleições do que da Covid-19

Esta crise traz aos políticos a oportunidade de se comportarem com maturidade e assumirem a política com transparência, frontalidade e seriedade.

A estratégia de comunicação implementada em Portugal para lidar com a pandemia da Covid-19 é igual a todas as estratégias implementadas em todas as crises que o poder político enfrentou até 2011. O que nos deve deixar desde já sob alerta. Valoriza-se a forma e foge-se o mais possível da transmissão de um conteúdo que tenha verdadeiro conteúdo.

Expressões como “daqui a 3 meses poderemos voltar à normalidade” ou “até agora não faltou nada e não faltará” demonstram a falta de conteúdo sério que tem prevalecido nas mensagens transmitidas pelos mais altos representantes políticos. E, acima de tudo, tratam os portugueses como destituídos.

Liderar não é apenas estar presente no espaço mediático, liderar é antecipar, não ter medo dos números, assumir riscos e transmitir todos os dados, por mais “cruéis” que sejam. Mesmo que se coloque em causa a esperança de vida da liderança. Pois o que deve prevalecer é a esperança de vida dos indivíduos.

Pelo contrário, aquilo a que assistimos é a uma atuação arcaica dos nossos políticos demonstrando que, mesmo em situações totalmente excecionais, não estão disponíveis para sacrificar a sua popularidade. Reagem e agem em função das pequenas vitórias pessoais ou partidárias.

Esta é uma crise com um impacto sem precedentes, o que exigiria desde logo uma estratégia de comunicação mais focada na mobilização social. Isso deveria ser feito com coragem para afirmar a dureza do que viveremos enquanto sociedade nos próximos anos. Não é nos próximos três meses.

O facilitismo não foi bom conselheiro até aqui (como demonstra o falhanço na capacidade de antecipação, assim como a forma híbrida como foi implementado o estado de emergência) e a gestão de expetativas está a ser feita de forma leviana.

No contexto atual exige-se não só verdade mas também seriedade na comunicação. O que os responsáveis políticos deveriam estar a assumir é o que está a faltar e o que pode vir a faltar, em vez de dizerem que “não falta nada e que dificilmente faltará”. Reconhecer que necessitamos de ajuda é uma força, não uma fraqueza.

O primeiro passo para ultrapassar uma crise, profunda como esta, é a necessidade de um diagnóstico e de uma auto-avaliação honesta. Assim como recolher e aprender com a experiência de crises anteriores. Só assim poderemos implementar uma estratégia de comunicação que enfrente a realidade, reconheça os erros, as fragilidades e as incertezas e assuma, sem paliativos, os grandes encargos e o tempo que levará a superar essa crise. Assumir uma estratégia de comunicação que valorize o conteúdo aceitando a responsabilidade e evitando a vitimização.

Uma comunicação que assuma uma informação seletiva e rigorosa, sem esconder ou ter medo dos números. Uma comunicação que use os melhores exemplos dos países que melhor estão a lidar com a Covid-19 e não que se compare com os piores. Valorizar a nossa cultura enquanto sociedade e o que nos valoriza na integração e no multilateralismo necessário para vencermos este desafio. E proximidade.

Apesar da necessidade de afastamento social, a comunicação institucional deve ser o mais próxima possível. Isso parece também não estar a acontecer quando a presença em redes sociais de forma proativa é diminuta, deixando espaço a que outra informação menos correta domine. E valorizar o timing. O tempo em política e numa gestão de crise é fundamental. Ora, a estratégia de comunicação implementada para a Covid-19 desvalorizou totalmente esta variável, incutindo assim facilitismo e desvalorização no espaço público.

Agora corremos atrás do prejuízo. E ouvir que daqui a três meses voltaremos à normalidade revela irresponsabilidade.

Não se mobiliza a sociedade civil para o que poderá ser o maior desafio das nossas vidas ao afirmar que em três meses tudo voltará à normalidade. Assim como também não se mobiliza ninguém com encenações demagógicas de saídas do plenário da Assembleia da República, como o fez o presidente do PSD. A gestão de expectativas está a ser feita de forma leviana e focada apenas no dia a dia. E todos são responsáveis.

A última sondagem do ICS/ISCTE revela que 44% dos portugueses considera que o facilitismo tem imperado quando afirmam que “são necessárias mais restrições”. Não é uma novidade, pois no que toca à saúde as pessoas estão maioritariamente disponíveis para qualquer sacrifício que seja necessário para salvar a vida. O que espanta é que mesmo numa situação como esta os mais altos responsáveis políticos não estejam dispostos a sacrificar a sua popularidade.

Talvez a oportunidade que esta crise traz aos políticos seja a possibilidade de se comportarem com maturidade e assumirem a política com transparência, frontalidade e seriedade. Não é só uma questão de falar verdade, é o que os políticos fazem com a verdade. Se têm ou não a coragem de afirmá-la sem subterfúgios.

É em momentos excecionais que os líderes se revelam. Infelizmente, em Portugal, ainda nenhum se revelou durante esta crise.

Recomendadas

Inacreditável mas verdadeiro

Boris Johnson inaugurou uma nova era em que não são os assessores sacrificados para salvar os ministros, mas o contrário.

Soberanos do tempo (10)

É fundamental dar espaço e tempo ao tempo, para que este aconteça sem imposições prévias e direções pré-estabelecidas. Uma política do tempo não deverá recuar ao primeiro obstáculo.

Esta opinião só tem dois recados

Ninguém gosta de ser chamado de moço ou moça de recados, nem de ver manchada a reputação de independência.
Comentários