Mandato de prisão internacional para ex-executivos da Volkswagen

Entre os ex-funcionários contam-se os assessores de Martin Winterkorn, que renunciou como CEO após o escândalo ter rebentado em 2015, além de um técnico e executivo da divisão da marca.

As autoridades norte-americanas emitiram um mandato de prisão internacional para cinco ex-funcionários da Volkswagen ligados ao escândalo de emissões da Dieselgate, escreve o site Politico

Entre os ex-funcionários contam-se os assessores de Martin Winterkorn, que renunciou como CEO após o escândalo ter rebentado em 2015, além de um técnico e executivo da divisão da marca.

No entanto, o mesmo meio de comunicação realça que a Alemanha não pode extraditar os suspeitos, uma vez que a Constituição alemã estipula que este cenário só pode ocorrer para países da União Europeia (UE) ou em tribunais internacionais.

Em janeiro, o ex-funcionário Oliver Schmidt já tinha sido preso em Miami. 

Recomendadas

Preços predatórios continuam a dominar o setor da segurança privada

O problema do ‘dumping’ no negócio da segurança privada ainda não foi mitigado. A responsabilidade solidária imposta pela Lei da Segurança Privada, de julho, poderá contudo ser a solução.

Segurança privada. Contratação com prejuízo é uma prática generalizada

No geral, os preços de contratação da segurança privada continuam a ser feitos com prejuízo. A rentabilidade dos capitais próprios das empresas do setor é negativa e a lei da segurança privada impõe responsabilidade solidária ao cliente, o que pode contribuir para a redução das más práticas.

Diretiva Netflix: Cofina quer apostar na criação de conteúdos para exportar

À boleia das novas regras europeias que exigem que plataformas como a HBO ou a Netflix tenham 30% de conteúdos europeus, a Cofina espera “intensificar a criação de conteúdos de perfil exportador”, após a compra da Media Capital, dona da Plural, produtora de conteúdos.
Comentários