Startup tecnológica lança plataforma para ajudar crianças a ler (mais e) melhor

A Teckies desenvolveu a “BeeFluent” para que os pais e professores portugueses tenham mais uma ferramenta para aprimorar a leitura dos alunos. Ao Jornal Económico, o CEO da empresa refere que a solução requereu um investimento de 30 mil euros e colaboração académica do Instituto Politécnico de Tomar.

A startup Teckies lança esta terça-feira a plataforma tecnológica “BeeFluent” para auxiliar as crianças a evoluir na leitura, uma vez que o processo de aprendizagem pode ser acompanhado em tempo real pelo professor ou encarregado de educação e é possível traçar um plano personalizado às necessidades do aluno. A aplicação, que requereu um investimento de cerca de 30 mil euros e a colaboração académica do Instituto Politécnico de Tomar, está agora disponível em computador, telemóvel ou tablet. Em entrevista ao Jornal Económico (JE), o CEO da empresa, Patrick Götz, explica como esta solução quer combater as dificuldades em ler.

Professores e alunos vão voltar a encontrar-se, presencialmente, nas escolas a partir de hoje. Em que medida a plataforma, que pretende facilitar o ensino à distância, não se tornará obsoleta pouco depois de ser lançada?

Mesmo com o regresso físico às escolas em setembro, a BeeFluent continuará a ser útil, tanto para professores como para alunos. Apesar de ser uma ferramenta online, permite continuar o processo de ensino sem interrupções inesperadas, reforçando ainda mais os mecanismos de aprendizagem em casa. Tudo isto, de forma muito mais divertida e individualizada e onde, num contexto menos formal, é encorajada a relação entre o docente e a criança. Esta plataforma vem ainda resolver um dos maiores problemas dos alunos com dificuldades de leitura, que se vai manter mesmo quando voltarem às salas de aula: a timidez em lerem em voz alta junto dos restantes alunos e professor. A BeeFluent adapta-se e pode ser utilizada tanto em ensino presencial, na medida em que é utilizada como uma ferramenta de trabalho de casa adicional, como num modelo híbrido, que alia as aulas presenciais com o online. Perante os desafios impostos pela pandemia, mas já a pensar nos modelos de ensino totalmente online, a plataforma assume ainda mais pertinência, uma vez que estimula a relação com o professor. Qualquer que seja o ensino em vigor, o certo é que o estudo autónomo e a utilização de tecnologia e ferramentas de apoio nas escolas será cada vez mais uma realidade, algo para o qual a BeeFluent vem também contribuir.

O objetivo da BeeFluent é ser utilizada no núcleo aluno-professor ou a nível doméstico mãe/pai-criança?

É com base na relação aluno-professor que toda a utilização da plataforma se desenrola, sendo a BeeFluent a ponte entre as duas partes do processo educativo. Apenas os docentes ou explicadores estão habilitados para lecionar e acompanhar toda a experiência da criança na plataforma, de forma a garantir a excelência do ensino e que os conhecimentos são transmitidos corretamente. Contudo, o contexto doméstico é também muito importante. Como a BeeFluent é uma aplicação online, pode ser acedida em casa, o que possibilita que os pais tenham um papel de apoiantes da evolução da criança e garantam que cumpre com o plano delineado. Caso a escola dos seus educandos não esteja inscrita na plataforma, mas sim o seu professor ou explicador, é possível que façam a inscrição dos seus filhos de forma particular.

Portugal encontra-se a meio da tabela europeia nos gostos pela leitura e a maioria dos cidadãos ainda prefere comprar livros em papel nas lojas físicas. Acha que é uma tendência que se alterou definitivamente durante a pandemia?

Na minha opinião, a pandemia não é o momento de viragem desse paradigma. Considero que os portugueses continuarão a adquirir os livros em formato impresso. A compra em lojas online cresceu bastante pelo que acho que essa tendência se irá manter, mas comprarão livros em papel. Com a Covid-19 surgiram novos desafios para a aquisição de livros, sendo por esse motivo que, neste período, as soluções digitais, como as encomendas online ou as plataformas de vendas de livros, acabaram por ganhar terreno. No entanto, é interessante ver que os e-books ainda aparecem como algo pouco utilizado. No meu entender, os seus maiores fãs continuarão, por agora, a ser a faixa mais jovem ou as pessoas que costumam viajar, uma vez que neste contexto esta opção é a mais prática. Além destes dois casos, o digital é cada vez mais o suporte para leituras breves, como artigos, jornais, entre outros conteúdos.

Em que diferencia a BeeFluent?

Diferente do que acontece nas salas de aulas, em que um mesmo professor dá atenção a dezenas de alunos em simultâneo, nesta plataforma aplicam-se exercícios personalizados, consoante o nível e dificuldades de cada jovem, o que faz com que a sua evolução seja, naturalmente, mais constante e rápida. Presencialmente ou mesmo à distância, o docente, além de traçar os planos de leitura, acompanha todo o progresso do aluno, através de feedbacks em tempo real e útil. O processo até que uma criança conclua um determinado exercício é composto por sete passos. Primeiro, o professor escreve o texto destinado à criança, lê como é esperado e sincroniza-o, terminando com o envio do ficheiro de som para o discente. Depois de ouvir o áudio que recebeu, este treina a leitura do excerto as vezes que necessitar e, quando estiver satisfeito com o resultado, envia-o para avaliação e para que possa receber feedback. Com este método de aprendizagem mais facilitado, a BeeFluent permite a melhoria da comunicação, dicção e fluência, mas de forma lúdica e divertida, contribuindo para aumentar o gosto e a motivação pela leitura. Além da sua principal funcionalidade, pode igualmente ser utilizada no ensino de línguas estrangeiras.

Qual o custo para o utilizador?

Na ótica das escolas, podem adquirir um registo anual e disponibilizá-lo a todos os seus alunos, independentemente do ciclo de estudos. O preço de aquisição vai depender da dimensão da instituição. Os municípios podem fazer o mesmo, permitindo que todos os estudantes dos seus agrupamentos tenham acesso. Por último, também estamos a trabalhar para chegar diretamente aos professores, uma vez que estes podem lecionar de forma autónoma na aplicação, sem necessidade de estarem ligados a uma instituição de ensino e ajudando assim um grupo limitado de jovens com dificuldades na leitura. A BeeFluent é de uso 100% gratuito para os alunos. O nosso modelo de negócio está, por agora, assente em três pilares: escolas, municípios e professores, sendo estas as entidades que podem comprar as nossas licenças de utilização.

Ler mais
Recomendadas

Mário Nogueira estranha nomeação de jurista para secretária de Estado da Educação

Inês Ramires substitui Susana Amador nesta mini-remodelação de secretários de Estado feita por António Costa. Com percurso na consultoria e assessoria em gabinetes ministeriais, foi anteriormente chefe de gabinete do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues.

Governo “não adotou medidas suficientes” nas escolas, acusa CGTP

A maior central sindical do país, diz em comunicado que “não deixará de responsabilizar o Governo, na medida em que isso se justificar – pela forte possibilidade de ter de haver um recuo” no ensino presencial.

Notas dos exames secundário baixam na segunda fase. Economia A é exceção

Segundo os dados divulgados esta quarta-feira, pelo Ministério da Educação, em quatro disciplinas a média foi negativa, com destaque para Matemática B e Matemática Aplicada às Ciências Sociais, uma vez que em Português Língua Segunda e Latim, o número de alunos foi residual.
Comentários