Manuel Pinho usou perdão fiscal para legalizar 2,7 milhões de euros

O dinheiro estava em ‘offshores’ e o Ministério Público quer saber se o ex-ministro o transferiu para Portugal.

O antigo ministro da Economia Manuel Pinho aderiu ao Regime Excecional de Regularização Tributária, durante o governo de Pedro Passos Coelho, para legalizar mais de 2,7 milhões de euros, revela a edição do “Correio da Manhã” (CM) desta quarta-feira, 5 de dezembro.

O montante estava em contas bancárias de sociedades offshores na Suíça, no final de 2010, das quais o ex-governante e a mulher, Alexandra Fonseca Pinho, eram os beneficiários. O Ministério Público pretende apurar se o ex-ministro o transferiu para Portugal.

Para legalizar aquele valor, Manuel Pinho pagou uma taxa de IRS de 7,5%, pagando de imposto cerca de 204 mi euros, de acordo com os autos do caso EDP consultados pelo CM.

Relacionadas

PremiumBanco de Portugal enviou à Justiça dados de perdão fiscal a Manuel Pinho

O Ministério Público suspeita que o ex-ministro terá usado programas de perdão fiscal para legalizar dinheiro pago pelo BES. Em julho, solicitou ao BdP informações sobre adesões aos RERT.

Manuel Pinho volta à comissão de inquérito de Energia a 20 de dezembro

O antigo governante propôs as datas de 18, 19 e 20 de dezembro e a comissão parlamentar de inquérito às rendas excessivas da energia escolheu a última.
Recomendadas

Conselho Estratégico Nacional do PSD defende reflexão sobre reabertura de tribunais

O Conselho Estratégico Nacional do PSD defendeu este sábado que, passados quase seis anos da reforma judiciária, impõe-se fazer uma reflexão sobre quais as zonas do país em que é preciso reabrir tribunais.

Odebrecht chega a acordo com Justiça peruana no âmbito da investigação Lava Jato

Construtora brasileira prometeu pagar cerca de 161 milhões de euros, além dos custos jurídicos adicionais.

Marta Temido: Parecer da PGR diz que greve dos enfermeiros é “ilícita”

Ministério da Saúde reagiu em conferência de imprensa ao parecer do Conselho Consultivo da Procuradoria Geral da República (PGR), pedido em janeiro, que diz que greve cirúrgica é ilegal.
Comentários