Manuel Pinho usou perdão fiscal para legalizar 2,7 milhões de euros

O dinheiro estava em ‘offshores’ e o Ministério Público quer saber se o ex-ministro o transferiu para Portugal.

O antigo ministro da Economia Manuel Pinho aderiu ao Regime Excecional de Regularização Tributária, durante o governo de Pedro Passos Coelho, para legalizar mais de 2,7 milhões de euros, revela a edição do “Correio da Manhã” (CM) desta quarta-feira, 5 de dezembro.

O montante estava em contas bancárias de sociedades offshores na Suíça, no final de 2010, das quais o ex-governante e a mulher, Alexandra Fonseca Pinho, eram os beneficiários. O Ministério Público pretende apurar se o ex-ministro o transferiu para Portugal.

Para legalizar aquele valor, Manuel Pinho pagou uma taxa de IRS de 7,5%, pagando de imposto cerca de 204 mi euros, de acordo com os autos do caso EDP consultados pelo CM.

Relacionadas

PremiumBanco de Portugal enviou à Justiça dados de perdão fiscal a Manuel Pinho

O Ministério Público suspeita que o ex-ministro terá usado programas de perdão fiscal para legalizar dinheiro pago pelo BES. Em julho, solicitou ao BdP informações sobre adesões aos RERT.

Manuel Pinho volta à comissão de inquérito de Energia a 20 de dezembro

O antigo governante propôs as datas de 18, 19 e 20 de dezembro e a comissão parlamentar de inquérito às rendas excessivas da energia escolheu a última.
Recomendadas

Banco de Portugal já assinou contratos superiores a 3,3 milhões de euros com advogados em 2019

Pagamento de três milhões de euros à Gonçalves Pereira ainda fica aquém do valor que o banco central se comprometeu a pagar no ano passado à Vieira de Almeida & Associados.

Investigação ao “apagão fiscal” parada há 19 meses

“Intolerável”, diz Ana Gomes numa carta à PGR, alertando que o inquérito a transferências de 10 mil milhões “não avançou absolutamente nada”.

Justiça cabo-verdiana arquiva denúncia-crime do maior partido da oposição

A Procuradoria-Geral da República anunciou esta quinta-feira o arquivamento da denúncia-crime apresentada pelo maior partido da oposição (PAICV) contra a Câmara Municipal da Praia, que alegava “indícios de gestão danosa e irregularidades” na construção de um mercado.
Comentários