Marca de luxo deixa de destruir artigos não vendidos ou danificados após polémica no Tik Tok

A utilizadora Anna Sacks denunciou a situação na rede social de vídeos curtos após se deparar com várias malas cortadas propositadamente no contentor do lixo da Coach, tornando os artigos inúteis.

A marca de luxo Coach já não vai destruir artigos não vendido e danificados que são devolvidos às lojas. A polémica estalou depois de um vídeo na plataforma TikTok denunciar que a marca estragava propositadamente os itens para efeitos fiscais.

A marca americana levou a situação para o Instagram, ainda que não se tenha referido diretamente às acusações, sustentando que parou de destruir bens devolvidos às lojas e estava à procura de um propósito mais responsável, reciclar e reutilizar bens em excesso ou produtos danificados.

A utilizadora Anna Sacks denunciou a situação na rede social de vídeos curtos após se deparar com várias malas cortadas propositadamente no contentor do lixo da Coach, tornando os artigos inúteis. De acordo com Sacks, a política da marca de luxo é encarregar um empregado de estragar a mercadoria para ninguém a reaproveitar.

No vídeo publicado no Tik Tok, a utilizadora mostra malas cortadas ao meio, sapatos com as alças cortadas de forma a não aproveitar e casacos com grandes rasgos. Anna Sacks alega que esta técnica usada pela marca – e outras – faz parte de uma lacuna fiscal que permite que as marcas digam que as mesmas foram “acidentalmente destruídas”.

O vídeo de Anna Sacks foi visto por mais de 560 mil pessoas e a história tomou outras proporções quando o supervisor Diet Prada no Instagram expôs a história recorrendo aos vídeo da utilizadora do Tik Tok.

@thetrashwalker##coach ##donatedontdump ##retailmademe ##dumpsterdiving ##shopping ##climatechange ##haul ##free ##eco ##recycle ##donate ##nyc ##thrift ##repair ##fashion ##style♬ Waltz of the Flowers – The Nutcracker – Pyotr Ilyich Tchaikovsky

Recomendadas

Ibersol avança com aumento de capital que propicia encaixe até 40 milhões

A empresa que detém a Pizza Hut, KFC, Taco Bell e Burger King anunciou um aumento de capital num montante máximo de 40 milhões de euros. A empresa quer ainda distribuir 20% dos lucros anuais consolidados.

Galp entra no solar no Brasil com a compra de dois projetos de 594 megawatts

A Galp vai entrar nas renováveis no Brasil. A empresa portuguesa acordou a aquisição de dois projetos solares, com uma capacidade total de 594 megawatts de potência.

Goldman Sachs vê EDP a fechar terceiro trimestre com lucros de 505 milhões

Resultados da elétrica nos primeiros nove meses do ano ficariam acima dos 420 milhões do período homólogo de 2020, estima a Goldman Sachs. Mas com o EBITDA a descer, para os 2,48 mil milhões de euros.
Comentários