Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Miguel A. Lopes / Lusa

O Presidente da República aprovou o aumento salarial de 700 euros dos salários para os juízes conselheiros. A revisão do Estatuto dos Magistrados Judiciais, que beneficia principalmente magistrados em tribunais superiores, foi promulgada por Marcelo Rebelo de Sousa na terça-feira, 6 de agosto.

Este aumento vai permitir que os “escalões mais elevados da carreira da magistratura judicial” recebam “vencimentos de base mais elevados do que o primeiro-ministro”, o que acontece desde 1990, segundo uma nota do Presidente da República. “Com o presente diploma alarga-se e acentua-se essa disparidade”, sublinha.

Marcelo Rebelo de Sousa justifica a aprovação deste diploma, com o facto de o Parlamento ter aprovado este aumento salarial. “Corresponde tal fato a orientação parlamentar de valorização, em termos absolutos, da Magistratura Judicial, orientação que se compreende e aceita. Daí a razão de ser da promulgação do diploma”.

Mas o Presidente da República chama a “atenção para dois outros fatos merecedores de ponderação global e inadiável”.

“Um é a multiplicação de responsáveis públicos com vencimento de base superior ao do Primeiro-Ministro, indo de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas”, destaca Marcelo Rebelo de Sousa.

“O outro, ainda mais complexo, é o acentuar da desigualdade de tratamento em relação a outras carreiras com mais evidentes afinidades, nomeadamente a das Forças Armadas e as das Forças de Segurança”, critica o Presidente da República.

Para terminar, Marcelo Rebelo de Sousa diz esperar que a desigualdade salarial dentro do próprio Estado venha a ser resolvida no próximo Governo. “Certamente que tal desigualdade virá a ser encarada na próxima legislatura”.

Relacionadas

Magistrados vão ganhar tanto como um general após dois anos de serviço

Aprovação dos novos estatutos vai permitir a juízes e procuradores do Ministério Público ficarem com uma progressão mais rápida nas carreiras.

Magistrados do Ministério Público também vão ganhar mais do que o primeiro-ministro

O artigo que permitiu aumentar o teto máximo dos salários dos magistrados obteve o voto contra do PSD e do Bloco de Esquerda, como aconteceu previamente na votação dos juízes. Estes partidos também foram vencidos na norma que estabelece que o subsídio de compensação passa a ser pago em 14 meses, não sendo tributável em sede de IRS.

Subida do salário dos juízes. Quanto é que ganham os magistrados face ao primeiro-ministro e Presidente da República?

Os juízes podem vão receber mais que a remuneração mensal do primeiro-ministro,depois da proposta do PS e do CDS-PP ter sido aprovada no Parlamento. Quanto é que ficam a ganhar face ao salário do Presidente e do primeiro-ministro?
Recomendadas

CNE alerta que é proibido propaganda na véspera e dia de eleições

A comissão avisa que “entende-se por ‘propaganda eleitoral’ toda a atividade que vise direta ou indiretamente promover candidaturas, seja dos candidatos, dos partidos políticos, dos titulares dos seus órgãos ou seus agentes, das coligações, dos grupos de cidadãos proponentes ou de quaisquer outras pessoas, nomeadamente a publicação de textos ou imagens que exprimam ou reproduzam o conteúdo dessa atividade”.

“Lisboa estava em sentada em tanto dinheiro de impostos que nem sabia o que lhe fazer”, realça candidato da IL a Lisboa

Na última edição do programa “Primeira Pessoa, da plataforma multimédia JE TV, Bruno Horta Soares considera que é importante estancar o aumento de trabalhadores na Câmara Municipal de Lisboa e diminuir os “10 a 12 milhões em avenças e os 13 milhões em horas extraordinárias”.

Portugal concede terceira moratória a Cabo Verde para o pagamento da dívida

O anúncio foi feito esta pelo Governo que aprovou uma nova suspensão do pagamento do serviço da dívida por parte da República de Cabo Verde, relativa aos empréstimos diretos concedidos.
Comentários