Marcelo quer “mais e mais crescimento económico” porque “este não chega”

Presidente da República defendeu que “é insensato não apostar em metas mais ambiciosas” e que apenas o aumento da produtividade e competitividade permitirá ao país “ombrear” com os países mais desenvolvidos do mundo. Para António Saraiva, a resposta para o crescimento da economia portuguesa está nas empresas.

Cristina Bernardo

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta terça-feira que Portugal precisa de mais crescimento económico sustentável e salientou que não apostar em metas ambiciosas a longo prazo não permite ao país preparar-se para os “infortúnios” que poderão chegar.

“Importa haver mais e mais crescimento sustentável económico, porque este não chega”, disse na sessão de encerramento do congresso “Portugal: crescimento ou estagnação? A resposta está nas empresas”, organizado pela CIP – Confederação Empresarial de Portugal, no Estoril.

O Chefe de Estado defendeu que o país precisa de “melhor balança externa”, assim como “maior produtividade e portanto maior competitividade”. “Como há consenso de finanças sãs e essas finanças alicercem o crescimento sustentável, havendo estes consensos é preciso que as instituições todas elas saibam proporcionar estabilidade”, acrescentou.

O Presidente da República realçou a importância da iniciativa privada, considerando que “sem iniciativa privada forte e fortememente social nunca conseguiremos ombrear com os países mais avançados do mundo”, ao mesmo tempo que apelou a que  os dirigentes das confederações empresariais “não se afastem um minuto que seja das vossas bases: as micro-pequenas empresas que são uma rede empreendedora do nosso tecido social”.

Para Marcelo Rebelo de Sousa “é insensato não apostar em metas mais ambiciosas”, já que estas permitiriam responder aos “infortúnios” que aparecerão.

Também no discurso de encerramento do congresso organizado pela confederação patronal, o presidente da CIP, António Saraiva, disse que a resposta para o atual abrandamento económico mundial passa pelas empresas, apelando a alterações de natureza mais profunda.

“Será na aposta nas empresas que poderemos encontrar, agora, soluções para inverter o atual abrandamento económico e abrir perspetivas para um futuro mais próspero para Portugal”, disse António Saraiva. Para o ‘patrão’ dos patrões “se continuarmos no mesmo rumo, não podemos esperar melhores resultados”.

“Se olharmos para as projeções macroeconómicas, também não podemos ficar satisfeitos. As mesmas apontam para uma tendência de abrandamento da atividade económica que nos conduzirá, senão à estagnação, a um crescimento anémico, muito longe do que é a nossa ambição”, vaticinou.

António Saraiva defendeu assim que a resposta para o futuro “está nas empresas, individualmente, mas também coletivamente, através do associativismo”.

Ler mais

Recomendadas

Pandemia põe em risco mais de 40% dos empregos no Algarve, estima OCDE

A OCDE calcula que o emprego poderá cair, em média, entre 4,09% e 4,98% em 2020 nos países que fazem parte da organização, devido à pandemia, sendo que o impacto desta crise difere de país para país e até de região para região.

Crise no mercado de retalho deve ser pior do que crise de 2009

Quando a recuperação económica chegar, a publicação estima que esta seja lenta, uma vez que a maioria dos mercados afetados pela crise de 2008/2009 demorou perto de um ano até que as vendas retomassem a níveis pré-crise.

Orçamento Suplementar ou Retificativo: CFP questiona “porque não alterar nome das leis de revisão orçamental”

O Conselho de Finanças Públicas realça que os termos Orçamento Suplementar ou Retificativo são utilizados pelo Governo, pelo Parlamento e pela opinião pública. Quer ainda seja prevista a obrigatoriedade de apresentação de um relatório e elementos informativos aquando da entrega de propostas de revisão orçamental.
Comentários