Marcelo Rebelo de Sousa reafirma que “tudo fará para que haja estabilidade”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, reafirmou esta quarta-feira que “tudo fará para que haja estabilidade”, recusando pronunciar-se sobre a futura solução política e sobre a composição da Assembleia da República.

Em declarações aos jornalistas, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa foi por diversas vezes questionado se entende que há condições para um Governo estável e se considera necessário um entendimento alargado.

“O Presidente não é analista político e, portanto, não vai fazer análise política sobre o que se está a passar e o que se vai passar. E, portanto, aguarda que seja apresentado pelo primeiro-ministro indigitado o Governo para a sua nomeação e depois para a respetiva posse”, respondeu o chefe de Estado.

Interrogado, depois, sobre os novos partidos com representação parlamentar, deu a mesma resposta: “O Presidente não faz análise. Não faz análise relativamente à composição do parlamento, não faz análise relativamente à formação do Governo”.

“O Presidente o que pode dizer foi aquilo que disse logo a seguir à realização das eleições: Naquilo que depender do Presidente, naturalmente que tudo fará para que haja estabilidade, como fez na legislatura anterior”, acrescentou.

Marcelo Rebelo de Sousa argumentou que “um Presidente não pode estar a comentar a composição do parlamento”, porque “há uma relação institucional entre o Presidente da República e a Assembleia da República, qualquer que seja a sua composição”.

“Essa relação foi uma relação muito cooperante e harmoniosa na legislatura que chegou ao fim, e vai ser da parte do Presidente exatamente o mesmo na legislatura que está a começar”, afirmou.

O chefe de Estado falava após uma conversa com o escritor Mia Couto sobre o seu livro “O universo num grão de areia”, editado pela Caminho, em que se falou de temas como as fronteiras e as intolerâncias, numa sessão moderada pela jornalista Maria Flor Pedroso, diretora de informação da RTP.

A esse propósito, foi questionado em particular sobre a eleição de um deputado pelo Chega, um partido que, entre outras coisas, defende a saída imediata de Portugal do Pacto Global para as Migrações promovido pelas Nações Unidas, contra o “consenso nacional” que o chefe de Estado tem invocado sobre esta matéria.

“Não vou estar a comentar neste momento a composição do parlamento”, repetiu Marcelo Rebelo de Sousa.

Sobre as reuniões que teve na terça-feira com os dez partidos com representação parlamentar tendo em vista a indigitação do primeiro-ministro, o Presidente da República disse que não comenta essas audiências e que “o que era importante era concluir relativamente à indigitação do primeiro-ministro”, salientando: “Concluiu-se e concluiu-se no próprio dia”.

“O senhor primeiro-ministro está indigitado e agora tem um tempo apreciável, por causa do processo de apuramento final dos resultados e da constituição e entrada em funcionamento da Assembleia da República, para a formação do Governo e para a proposta do Governo, para futura nomeação e tomada de posse”, referiu, defendendo que não pode dizer “mais do que isto”.

Ler mais
Relacionadas

Catarina Martins diz que o Bloco de Esquerda apresentou ao PS uma proposta para “entendimento inicial”

A coordenadora bloquista, Catarina Martins, afirmou esta quarta-feira que o BE apresentou ao PS uma proposta para “entendimento inicial que possa estar plasmado no programa de Governo”, com o objetivo de reforçar uma solução política com “um horizonte de legislatura”.

“O PCP tem o seu próprio programa”. Jerónimo de Sousa rejeita acordo escrito com o PS

“Há quatro anos foi exigido um acordo escrito por parte do Presidente da República”. Jerónimo de Sousa realçou que o quadro não é esse e que não há nenhum obstáculo à formação de um governo socialista.

PAN e PS voltam a reunir-se na próxima semana para saber se “existem condições para haver maior convergência”

“Continuaremos a aprofundar a convergência com o PS”, garantiu André Silva após a reunião com a comitiva do PS que anda a fazer um périplo pelas sedes de vários partidos à procura de estabelecer pontes de entendimento para a próxima legislatura.
Recomendadas

Catalunha: Dez carros incendiados em terceiro dia de protestos

“O governo da Espanha garantirá os direitos de todos na Catalunha. Estou convencido de que vamos superar esses episódios de violência”, assumiu Pedro Sánchez em conferência de imprensa após reunião de emergência.

Comissão Política do PSD questionou Rui Rio sobre recandidatura. Líder mantém tabu

No final de outubro, a Comissão Política Nacional vai voltar a reunir, não se esperando que haja nessa altura resposta do líder sobre a sua continuidade.

Ministra da Saúde quer que todos os portugueses tenham um enfermeiro atribuído

Na abertura do Congresso Internacional de Enfermagem de Saúde Familiar, em Lisboa, Marta Temido anunciou que o Governo pretende atribuir nos próximos quatro anos uma equipa de saúde familiar a todos os portugueses, que inclua um enfermeiro de saúde familiar.
Comentários