Marcelo Rebelo de Sousa vai reunir com Costa depois das férias, dentro de “dois ou três dias”

O chefe de Estado do país garante que apesar de estar de férias que vai acompanhar de perto a situação da greve dos motoristas, sublinhando que não vai acrescentar mais nenhum comentário à nota deixada ontem no site da Presidência da República.

Cristina Bernardo

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, não quis acrescentar comentários à nota deixada na segunda-feira no site da presidência sobre a greve dos motoristas, sublinhando que “estando de férias não me pronuncio sobre temas de política nacional”.

Apesar de estar de férias, Marcelo Rebelo de Sousa promete que vai acompanhar de perto a situação da greve dos motoristas e garante que dentro de “dois ou três dias” haverá uma nova reunião com o primeiro-ministro — que não será dedicada exclusivamente ao tema da greve —, mas só depois dessa reunião Marcelo fará uma avaliação e eventual tomada de posição.

“Nessa altura farei uma avaliação, se tiver que tomar uma posição tomarei, neste momento não queria tomar posição nenhuma”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa em declarações à RTP3, no Algarve, onde se encontra a descansar.

 

Relacionadas

Catarina Martins: “Decretar a requisição civil é um erro e uma limitação do direito à greve”

Coordenadora do Bloco de Esquerda apelou para que o Governo “pare com as provocações” e exija que “todas as partes se sentem em negociações sem pré condições”.

PCP diz que greve dos motoristas “procura atingir mais a população que o patronato”

Os comunistas defendem que a paralisação instrumentaliza reais problemas e descontentamento dos motoristas por “obscuros objetivos políticos” e sublinha que a requisição civil decretada pelo Governo procura limitar o direito à greve.

CGTP diz que requisição civil é mais um passo “na escalada contra o direito à greve”

A central sindical liderada por Arménio Carlos considera que a medida não contribui para resolver o problema existente e estima ainda os partidos a pedirem alterações à lei da greve.

Vieira da Silva considera requisição civil “uma atitude de prudência” e alerta para consequências para quem não a cumprir

“Há quem possa pensar que não há consequências, mas haverá. Tem que haver, senão é o próprio poder do Estado que é posto em causa”, salientou o ministro do Trabalho, Segurança Social e Solidariedade, Vieira da Silva.
Recomendadas

PremiumPSD remete alterações ao OE para depois de eleições internas

Propostas dos sociais-democratas só dão entrada no Parlamento a partir da próxima semana. Direção de Rui Rio chama a si proposta de redução do IVA da eletricidade por ter “relevo político nacional”.

PremiumCarlos Zorrinho: “OE foi muito tático na forma como foi discutido e votado”

Eurodeputado eleito pelo PS entende que as abstenções do BE, PCP, PEV e Livre mostram vontade de continuar a negociar com o Governo. E defende uma transição digital e energética “mais justa” e concorda com propostas de redução do IVA da eletricidade.

“Este governo tem um problema que é a imprevisibilidade”

João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, à Antena1/Jornal de Negócios, diz que “este governo tem um problema que é a imprevisibilidade”, uma vez que não há acordo com os partidos à esquerda e por isso não se sabe que posição vão tomar.
Comentários