Marcelo Rebelo de Sousa vai reunir com Costa depois das férias, dentro de “dois ou três dias”

O chefe de Estado do país garante que apesar de estar de férias que vai acompanhar de perto a situação da greve dos motoristas, sublinhando que não vai acrescentar mais nenhum comentário à nota deixada ontem no site da Presidência da República.

Cristina Bernardo

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, não quis acrescentar comentários à nota deixada na segunda-feira no site da presidência sobre a greve dos motoristas, sublinhando que “estando de férias não me pronuncio sobre temas de política nacional”.

Apesar de estar de férias, Marcelo Rebelo de Sousa promete que vai acompanhar de perto a situação da greve dos motoristas e garante que dentro de “dois ou três dias” haverá uma nova reunião com o primeiro-ministro — que não será dedicada exclusivamente ao tema da greve —, mas só depois dessa reunião Marcelo fará uma avaliação e eventual tomada de posição.

“Nessa altura farei uma avaliação, se tiver que tomar uma posição tomarei, neste momento não queria tomar posição nenhuma”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa em declarações à RTP3, no Algarve, onde se encontra a descansar.

 

Relacionadas

Catarina Martins: “Decretar a requisição civil é um erro e uma limitação do direito à greve”

Coordenadora do Bloco de Esquerda apelou para que o Governo “pare com as provocações” e exija que “todas as partes se sentem em negociações sem pré condições”.

PCP diz que greve dos motoristas “procura atingir mais a população que o patronato”

Os comunistas defendem que a paralisação instrumentaliza reais problemas e descontentamento dos motoristas por “obscuros objetivos políticos” e sublinha que a requisição civil decretada pelo Governo procura limitar o direito à greve.

CGTP diz que requisição civil é mais um passo “na escalada contra o direito à greve”

A central sindical liderada por Arménio Carlos considera que a medida não contribui para resolver o problema existente e estima ainda os partidos a pedirem alterações à lei da greve.

Vieira da Silva considera requisição civil “uma atitude de prudência” e alerta para consequências para quem não a cumprir

“Há quem possa pensar que não há consequências, mas haverá. Tem que haver, senão é o próprio poder do Estado que é posto em causa”, salientou o ministro do Trabalho, Segurança Social e Solidariedade, Vieira da Silva.
Recomendadas

Motoristas: Ministro diz que há cada vez mais condições para que greve não aconteça

O ministro do Ambiente e da Transição Energética afirmou esta sexta-feira que “há cada vez mais condições” para que a greve dos motoristas convocada para setembro não aconteça.

Boris Johnson diz que ‘backstop’ “simplesmente tem de sair” do acordo para o Brexit

O primeiro-ministro britânico disse esta quarta-feira o Reino Unido “não pode aceitar” o atual acordo de saída da União Europeia e que o mecanismo de salvaguarda para a fronteira irlandesa “tem de sair” do texto.
pedro-pardal-henriques

Motoristas avançam com greve ao trabalho suplementar no início de setembro

O sindicato dos motoristas de matérias perigosas vai entregar hoje o pré-aviso de greve ao trabalho suplementar, após não chegarem a acordo com os patrões. “O único regime em que as pessoas podem fazer trabalho suplementar sem receberem é a Coreia do Norte”, disse Pardal Henriques.
Comentários