Marido de Isabel dos Santos acusa Rui Pinto de ser “braço armado do complot” do Luanda Leaks

Para além de Rui Pinto, Dokolo diz que João Lourenço, presidente de Angola, e Manuel Vicente, antigo vice-presidente de Angola, fazem também parte deste ‘complot’ dos Luanda Papers.

Cortesia PlatinaLine

O marido de Isabel dos Santos, Sindika Dokolo, acusa o ‘hacker’ português, Rui Pinto, de ser o braço armado do ‘complot’ por detrás do Luanda Leaks, em declarações ao RFI.

Dokolo para além de Rui Pinto, diz que João Lourenço, presidente de Angola, e Manuel Vicente, antigo vice-presidente de Angola, fazem também parte deste ‘complot’ dos Luanda Papers.

O Luanda Leaks é uma investigação de um consórcio internacional de jornalistas de investigação (ICIJ), que sugere que Isabel dos Santos beneficiou de imensas oportunidades derivadas de Eduardo dos Santos, antigo presidente de Angola e pai de Isabel dos Santos, enquanto dirigiu o país, e mostra como Isabel dos Santos construiu fortuna à custa do Estado de angola.

A investigação revela 715.000 documentos, entre e-mails, contratos, auditorias, e contas que foram obtidas por uma plataforma de denunciantes em África (PPLAAF), que depois foi partilhada com a ICIJ.

Os Luanda Papers dão indícios de que a Sonangol vendeu a Dokolo uma participação na Galp, avaliada em 750 milhões de euros depois de um empréstimo de 11 milhões de euros.

Um total de 115 milhões de euros em pagamentos a firmas de consultorias, ordenadas por Isabel dos Santos, enquanto dirigente da Sonangol, que foram desviados para uma companhia do Dubai controlada pelos seus associados.

Uma ‘business venture’ com uma empresa estatal de diamantes que resultou alegadamente em 200 milhões de euros em dívida pública, que sustentava uma marca de jóias suíças que eram parcialmente detidas por Dokolo.

Duas empresas de Isabel dos Santos e empresas por si contratadas angariaram 500 milhões de dólares em ‘fees’ de uma empresa do Dubai localizada em Luanda.

Jornal Económico já tinha avançado as ligações que Isabel dos Santos possua com a Rússia, onde passou a ser Isabel Dosovna Kukaeva, cidadã russa, com passaporte russo, num processo diretamente acompanhado pelo presidente Vladimir Putin. O mesmo arrigo refere que Isabel dos Santos detém uma rede de sociedades ‘offshore’, contas em vários bancos, é uma ‘trader’ de petróleo e lidera a venda de bilhetes na Rússia.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) anunciou também que abriu uma investigação à denúncia apresentada por Ana Gomes em relação a várias operações realizadas por Isabel dos Santos em Portugal.

Ler mais
Relacionadas

“Já se demitiram?”. Ana Gomes reage aos ‘Luanda Leaks’ e pede afastamento de Carlos Costa

Ex-eurodeputada já reagiu à revelação dos ‘Luanda Leaks’ e pergunta se Carlos Costa e Fernando Teixeira dos Santos já se demitiram.

“Racismo” e “preconceito”. Isabel dos Santos reage a investigação jornalística a nível mundial

Os Luanda Leaks têm 715 mil documentos, entre e-mails, contratos, auditorias, e contas que foram obtidas por uma plataforma de denunciantes em África (PPLAAF), que depois foi partilhada com a ICIJ.

Luanda Leaks revela como Isabel dos Santos construiu fortuna à custa de Angola

O Luanda Leaks têm 715 mil documentos, entre e-mails, contratos, auditorias, e contas que foram obtidas por uma plataforma de denunciantes em África (PPLAAF), que depois foi partilhada com a ICIJ.
Recomendadas

Luanda Leaks: Caso provoca polémica nos escuteiros católicos portugueses

O envolvimento no caso ‘Luanda Leaks’ do nome do chefe nacional dos escuteiros católicos portugueses, que deverá tomar posse no sábado para novo mandato, está a causar polémica e há quem defenda já a realização de novas eleições.

Isabel dos Santos deve mais de 500 milhões de euros à banca

O regulador bancário já terá pedido a todas as instituições uma atualização sobre os financiamentos, assim como aos auditores externos para verificarem a adequação dos níveis de imparidades, noticia o “Expresso”. “Correio da Manhã” revela que CGD e BCP concentram os valores mais elevados dos empréstimos.

Sindicato bancário interessado na participação de Isabel dos Santos na Efacec

A proposta do sindicato bancário envolve a constituição de um veículo, que depois da conversão de dívidas em capital, reúna as participações correspondentes a cada instituição, tendo esta “aquisição” um cariz temporário já que o objetivo posterior é alienar a um novo investidor.
Comentários