Marine Le Pen ganharia hoje a primeira volta das eleições presidenciais francesas

Segundo os resultados do inquérito do semanário francês, se os candidatos de há vinte meses fossem os mesmos, 27% dos inquiridos votariam na Frente Nacional, partido de Marine Le Pen.

Se a primeira volta das eleições francesas se realizassem hoje, numa altura em que a França se vê assolada pelo movimento dos ‘Coletes Amarelos’, seria Marine Le Pen, da extrema direita francesa, a vencedora, notícia o semanário francês “Le Journal du Dimanche”, publicou os resultados de um inquérito realizado pela Ifop. Mas, “mais surpreendente ainda”, seria o resultado de Emmanuel Macron, atual presidente da República francesa, acima dos resultados que obteve em 2017.

Segundo os resultados do inquérito do semanário francês, se os candidatos de há vinte meses fossem os mesmos, 27% dos inquiridos votariam na Frente Nacional, partido de Marine Le Pen. Já o partido do chefe de Estado francês, La République En Marche, ficaria um ponto percentual acima do que conseguiu em 2017, passando a ter o voto de 25% do eleitorado.

“Os franceses parecem ter-se esquecido da campanha para as presidenciais falhada por Le Pen, assim como a sua prestação catastrófica no debate entre as duas voltas”, revelou Frédéric Dabi, diretor-geral adjunto da Ifop. Le Pen parece galgar terreno com o movimento dos ‘Coletes Amarelos’, uma vez que a líder da Frente Nacional tem “um apoio impressionante junto da classe operária, com 58%”, explicou Dabi.

Apesar da subida nas sondagens do partido de extrema direita francês, a corrida eleitoral permaneceria em aberto, explicou o direitor-geral adjunto da Ifop. Macron continua a ter adeptos junto dos reformados (37%) e da aglomeração parisiense (30%). Assim, o atual chefe de Estado ganharia entre um pontos a 3,5 pontos contra Fillon ou Wauquiez, respectivamente, em relação ao resultado que obteve em 2017. “Não estamos numa situação de bipolarização na qual um chefe de Estado impopular teria já perdido as eleições presidenciais. Antes pelo contrário, estaria tudo em aberto”, frisou Dabi.

 

Relacionadas

Protesto dos coletes amarelos continua em França mas está a perder gás

Os protestantes terão descidos de 22 para os 16 mil de acordo com fonte policial.

Das redes sociais para as ruas

Toda esta agitação, cá, como em França, revela que existe uma profunda insatisfação por parte de um conjunto de cidadãos face aos seus governantes.

Governo francês quer défice próximo de 3%

O ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire, assegurou esta quarta-feira que pretende que o défice se aproxime “o mais possível de 3%” do Produto Interno Bruto (PIB), apontando alternativas para compensar as medidas sociais anunciadas pelo presidente Emmanuel Macron.

Respostas Rápidas. Macron está a agradar aos ‘coletes amarelos’ e a comprometer o défice?

A Bloomberg fala de um impacto que pode chegar aos 10 mil milhões de euros, o que implica mais 0,6 pontos percentuais de défice orçamental – o que, a verificar-se, levaria o país a furar o teto de 3% do défice, atirando para uns estratosféricos 3,4%, em vez dos programados 2,8%.
Recomendadas

Brexit: Emmanuel Macron afirma que ‘backstop’ é para manter

O presidente francês avisou Boris Johnson que a salvaguarda para a Irlanda, conhecida como ‘backstop’ é indispensável para a estabilidade política da Irlanda.

Guterres preocupado com incêndios na Amazónia

As Nações Unidas dizem, como já outros disseram antes, que a sustentabilidade da Amazónia é crítica. António Guterres diz que está “profundamente preocupado” e que Aa Amazónia tem de ser protegida”.

Presidente italiano permite aos partidos negociar novo governo até terça-feira

“Foi-me comunicado por parte de alguns partidos políticos que começaram negociações para formar outro governo” de maioria parlamentar, referiu Sergio Mattarella.
Comentários