Marinho Pinto: “O Governo tem gostado muito das lutas sindicais da CGTP e da UGT. São lutas muito educadas, muito disciplinadas”

O líder do PDR criticou a atuação do Governo de António Costa durante a greve dos motoristas de matérias perigosas.

O líder do Partido Democrático Revolucionário (PDR) criticou a postura do Governo em relação ao conflito laboral que opõe motoristas de combustíveis e os patrões do setor.

Numa avaliação à atuação do Executivo de António Costa durante a greve dos motoristas, Marinho Pinto considerou que “não diferiu muito da forma como as ditaduras tratam as lutas sindicais que não lhes agradam”, disse em entrevista à Rádio Observador.

“O Governo, e os sucessivos governos, tem gostado muito das lutas sindicais da CGTP e da UGT, são lutas muito educadas, muito disciplinadas, muito responsáveis”, afirmou Marinho Pinto esta terça-feira, 20 de agosto.

“A ditadura mandava a polícia de choque carregar sobre os trabalhadores: bancários, metalúrgicos, trabalhadores da TAP. Neste processo, houve motoristas que tiveram que trabalhar com armas apontadas. Houve um que abrandou a marcha e apareceram logo GNRs a apontar metralhadoras”, comparou.

O antigo bastonário da Ordem dos Advogados disse rever-se na “substância deste processo”, referindo-se à luta sindical protagonizada pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP).

“Sabe o que representa para a sociedade portuguesa andarem pessoas a trabalharem mais de 70 horas por semana a transportar toneladas de combustíveis? Sabe o perigo que isso representava? As pessoas não imaginam… andavam com bombas relógios tenebrosas atrás de si, a trabalhar mais de 70 horas por semana, e a receber uma grande fatia do ordenado por baixo da mesa, para os patrões não pagarem contribuições para a Segurança Social”, disse Marinho Pinto.

Na entrevista à Rádio Observador, o líder do PDR também deixou elogios ao vice-presidente do SNMMP. “Seria um excelente candidato à Assembleia da República porque liderou, ou participou, num processo de luta sindical, dos fenómenos mais importantes da democracia portuguesa, ou mesmo o mais importante, sobretudo após a fase da degenerescência da democracia”.

Questionado sobre se Pardal Henriques vai ser candidato pelo PDR às eleições legislativas, Marinho Pinto rejeitou desvendar o tabu. “É uma hipótese, vamos ver. Não confirmamos nem desmentimos nenhum nome que seja apresentado pela comunicação social sem que as listas sejam aprovadas”.

Recorde-se que o SNMMP de Pardal Henriques e a Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários (ANTRAM) estão hoje reunidos para tentar chegar a acordo sobre o conflito laboral que opõe sindicato e patrões há vários meses e que já deu origem a duas greves.

Marinho Pinto: “Pardal Henriques seria um excelente candidato ao Parlamento”

 

Ler mais
Relacionadas
pedro-pardal-henriques-SNMMP

Marinho Pinto: “Pardal Henriques seria um excelente candidato ao Parlamento”

O líder do PDR recusa desfazer o tabu que envolve o nome do vice-presidente do sindicato dos motoristas como candidato pelo partido à Assembleia da República.
pedro-pardal-henriques-SNMMP

Pardal Henriques avisa que não vai aceitar o mesmo acordo assinado pelos outros sindicatos

Pardal Henriques acusou o Governo de ter estado ao lado dos patrões durante a greve dos motoristas. O sindicalista diz que a mudança de atitude por parte do Governo permitiu o fim da greve.
Recomendadas
Debate António Costa Rui Rio

Costa agita “milhares de milhões de euros” se não houver aeroporto no Montijo e Rio alerta para emigração igual à soma do Porto com Viana do Castelo

Frente a frente entre o primeiro-ministro e o líder social-democrata envolveu riscos de indemnizações à ANA, emigração em série, impostos, saúde, justiça e educação.

Do whisky aos fatos de homem. Marcas de luxo europeias podem render mil milhões de dólares a Trump

A empresa LVMH, mais conhecida pela Louis Vuitton, está particularmente vulnerável aos impostos norte-americanos propostos por Trump, uma vez que detém dois produtos de luxo: bebidas e artigos de roupa.

Portugal condena de forma “veemente” o ataque às instalações petrolíferas da Arábia Saudita

Esta segunda-feira, os mercados acordaram com uma subida de 20% do preço do petróleo depois de se saber que as instalações da Aramco, a petrolífera estatal da Arábia Saudita, foi severamente afetada por um ataque de drones levado a cabo por um grupo de Houthis, do Iémen, e que são pró-Irão.
Comentários