Mário Centeno: OE2019 “define um marco histórico para Portugal”

O ministro das Finanças apresenta esta terça-feira ao país, em conferência de imprensa, o Orçamento do Estado para 2019.

Cristina Bernardo

O ministro das Finanças considera que o Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) “define um marco histórico para Portugal”,  em que o défice chega a menos de 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB), pela primeira vez em 40 anos, e que o saldo orçamental se encontra próximo do equilíbrio entre as receitas e as despesas.

Mário Centeno garantiu esta terça-feira que haverá estabilidade fiscal em Portugal, no próximo ano, e lembrou os 19 trimestres consecutivos de crescimento para a economia portuguesa, que se caracterizou por “aumentos na produtividade e nos salários”.

“É evidente que um orçamento é um exercício de escolhas, em que apresentamos medidas. As principais deste orçamento têm com objetivo a consolidação económica, em convergência com a União Europeia, conjugado com um equilíbrio das contas públicas”, afirmou o governante, aos jornalistas esta manhã.

Aos meios de comunicação social presentes no Ministério das Finanças, Mário Centeno disse ainda que este documento promove a trajetória de consolidação orçamental: “Temos menos défice, mais poupança, menos dívida (…). Os portugueses têm mais e melhores oportunidades de trabalho. Em Portugal, a confiança está em máximos deste século”.

Já a dívida pública faz um caminho descendente: “Projetamos uma dívida pública de 118,5% do PIB”, explicou. Em relação ao investimento no país, Mário Centeno adiantou que o crescimento foi de 7%.

O responsável pela pasta das Finanças esteve ao início desta manhã a apresentar ao país, em conferência de imprensa, o OE2019, menos de 12 horas depois de o ter entregue ao presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues. A sessão deveria ter começado às 8h30 mas sofreu um ligeiro atraso.

Notícia atualizada às 10h05

Recomendadas

PRR serve “quem já está à mesa do Orçamento”, diz Viriato Soromenho-Marques

De acordo com o professor na Universidade de Lisboa, o Plano de Recuperação e Resiliência privilegia os grandes grupos económicos: “Essas pessoas não precisam de nenhum partido, já lá está o partido que lhes serve os interesses, já está instalado”.

Milhões da Europa começam a chegar este ano para o hidrogénio verde

O Plano de Recuperação e Resiliência vai começar a distribuir apoios já este ano e vai ser lançado um leilão para atribuir apoios. Várias empresas estão já a trabalhar para desenvolver um ‘cluster’ industrial de H2 verde de Sines.

Portugal terá a ganhar com acordo tributário global, diz ministro das Finanças

João Leão ressalva, contudo, ser “prematuro retirar consequências diretas para Portugal” deste compromisso, uma vez que este dependerá da forma como a criação de uma taxa mínima global sobre os lucros daquelas empresas e a atribuição de direitos fiscais aos países onde as empresas operam e não apenas onde estão sedeadas se irão articular e também de questões que precisam ainda de ser consensualizadas.
Comentários