MARL reduziu passivo no segundo trimestre de 2020

Nos últimos quatro anos, o volume de negócios da MARL, SA aumentou 5,6%, o resultado líquido recorrente aumentou 20,7%, o EBITDA recorrente aumentou 12,3% e a dívida financeira líquida diminuiu 43,6%.

O MARL – Mercado Abastecedor da Região de Lisboa reduziu passivo nos primeiros meses deste ano e reforçou ocupação de espaços em plena pandemia.

“A MARL, SA encerrou o segundo trimestre de 2020 com um resultado líquido de 2,207 milhões de euros, correspondente a uma margem líquida sobre os rendimentos operacionais de 32%, acima do período homólogo do ano anterior (+ 2p.p.) (…), apresentando uma rendibilidade do capital próprio (anualizada) de 6,4%”, destaca um comunicado da empresa.

Esta empresa do universo da Parpública, que tem ainda como acionistas as câmaras de Lisboa e de Loures, bem como a Santa Casa da Misericórdia, apresentou ainda margens operacionais positivas de 73% e 44%, respetivamente ao nível do EBITDA e do EBIT.

“O EBITDA ascendeu a 5,114,5 milhões de euros, situando-se acima do segundo trimestre de 2019 em 125 mil euros (+2,5%) (…)”, adianta o referido comunicado.

Segundo os responsáveis do MARL, “destaca-se também um aumento dos rendimentos ‘core’ da empresa e taxas de utilização, em 107,5 mil euros (+2,1%), face ao período homólogo do ano anterior. O EBIT ascendeu a 3,044 milhões de euros, acima do segundo trimestre de 2019, em 155,8 mil euros (+5,4%) (…)”.

Os rendimentos operacionais do MARL situaram-se aquém do segundo trimestre de 2019 em 95 mil euros (- 1,3%).

Por seu turno, os encargos financeiros apresentam um recuo face ao segundo trimestre de 2019 em 40 mil euros (-26%), “refletindo a redução do passivo bancário em pleno período de pandemia devido à Covid-19 e a obtenção de condições de pricing mais favoráveis”.

O resultado antes de imposto (EBT) ascendeu a 2,930 milhões de euros, situando-se acima do período homólogo do ano anterior, em 195,8 mil euros (+7,2%).

“A dívida financeira líquida foi reduzida em 3,173 milhões de euros (-9,9%), ficando nos 28,949 milhões de euros, face ao valor registado em 31 de dezembro de 2019 (…)”, acrescenta o referido comunicado, adiantando que “os ‘cash flows’ gerados permitiram cumprir todos os compromissos despesa operacional, de investimento e financeiros”.

Os fundos acionistas do MARL reforçaram-se em 3%, ascendendo, agora, a 70,550 milhões de euros.

“Recorde-se que nos últimos quatro anos, o volume de negócios da MARL, SA aumentou 5,6%, o resultado líquido recorrente aumentou 20,7%, o EBITDA recorrente aumentou 12,3% e a dívida financeira líquida diminuiu 43,6%”, destacam os responsáveis desta empresa pública.

Recorde-se que a MARL, SA encerrou o ano de 2019 com um resultado líquido de 4,279 milhões de euros, representando um acréscimo de 99,6 mil de euros (+2,4%) relativamente ao exercício anterior, correspondente a uma margem líquida sobre os rendimentos operacionais de 30% e a uma rendibilidade do capital próprio de 6,4%.

Ler mais
Recomendadas

Marques Mendes diz que CGD liderará sindicato bancário para financiar o Novo Banco

Luís Marques Mendes, revelou este domingo que a injeção do Fundo de Resolução no Novo Banco vai ser possível através do empréstimo de um sindicato bancário, que será liderado pela CGD. O comentador revelou que não houve qualquer conversa entre o BCP e o Governo para uma fusão com o Montepio. O JE confirmou que Miguel Maya não falou com João Leão sobre uma integração do Banco Montepio.

Premium“Construtoras nacionais apenas ficam com 20% das obras públicas”, diz bastonário da Ordem dos Engenheiros

O desinvestimento em pessoas e equipamentos ao longo dos últimos anos foi tão grande que apenas 20% das obras públicas lançadas ficam em empresas portuguesas, afirma Carlos Mineiro Aires.

Miguel Albuquerque diz que “a Madeira vai ultrapassar efeitos devastadores no turismo”

O presidente do Governo da Madeira mostrou-se este domingo convicto de que a região vai conseguir superar “mais este grande desafio” dos “efeitos devastadores” no setor do turismo provocado pela pandemia da covid-19.
Comentários