Marques Mendes avisa que o Chega seria o único partido a ganhar com eleições antecipadas

“É tudo teatro”, disse hoje o comentador rejeitando a possibilidade de uma crise política neste momento em Portugal. O único partido a ganhar com a instabilidade seria o Chega de André Ventura, alertou Marques Mendes.

Flickr PSD

Luís Marques Mendes afastou hoje a possibilidade de uma crise política nos próximos tempos em Portugal, numa altura em que arrancaram as negociações para o Orçamento do Estado.

“Não vamos ter crise política nenhuma. É tudo teatro. O primeiro-ministro vai mesmo negociar um acordo à esquerda. E, nesta fase, um acordo, mesmo não sendo um bom acordo, é sempre preferível a uma crise política”, disse o antigo líder do PSD na sua crónica semanal no Jornal de Negócios.

O advogado aponta que António Costa passa a “imagem de um primeiro-ministro acossado, nervoso e intranquilo”.

“Porque a crise é mais séria do que ele imaginava; porque tem um Governo frágil e está cansado de o defender; porque está tenso com a falta de estabilidade para governar; porque tem uma dúvida existencial para resolver – saber se vai disputar ou não um novo mandato. Tudo isto o deixa intranquilo, crispado e nervoso. Mas deve evitar essa imagem. Não lhe é favorável. O país precisa de um primeiro-ministro seguro e tranquilo”, defendeu.

No entanto, o conselheiro de Estado alertou quem seria o grande vencedor com uma crise política: o Chega de André Ventura.

“Quem ganharia com eleições antecipadas? Com exceção do Chega, ninguém. O PS, se não conseguisse chegar à maioria absoluta (e nada o garante), sairia politicamente derrotado. O PCP e o BE, com eleições bipolarizadas, corriam o risco de baixar de votação. Para o PSD e para o CDS seria um pesadelo. Só o Chega ganharia. É disso que a democracia precisa? Não parece”, declarou.

Ler mais
Recomendadas

Parlamento discute hoje e vota referendo sobre a eutanásia na sexta-feira

O parlamento discute hoje e vota na sexta-feira uma proposta de referendo sobre a eutanásia, que divide direita e esquerda, mas em que há um bloco maioritário para a “chumbar”, do PS, BE, PCP, PAN e PEV.

OE2021: Federação sindical pediu alterações ao BE e ao PS

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) pediu hoje aos deputados do Bloco de Esquerda e do Partido Socialista que proponham alterações ao Orçamento do Estado (OE) para 2021 que respondam às reivindicações dos funcionários públicos.

Marcelo promulga diploma que reduz debates europeus na AR para dois por semestre

O Presidente da República promulgou hoje o diploma aprovado por PS e PSD que reduz os debates europeus no parlamento para dois por semestre, depois de ter vetado uma primeira versão que previa apenas um por semestre.
Comentários