Marques Mendes critica ministro das Finanças por se “oferecer” para presidir ao Eurogrupo

O comentador considera que Mário Centeno se deslumbrou e que está a fazer uma “campanha interna” de “auto-promoção”.

O comentador Luís Marques Mendes considera que existe uma oportunidade para o ministro das Finanças vir a presidir ao Eurogrupo, mas criticou-o, considerando que Mário Centeno se está a oferecer para o cargo.

No seu espaço de comentário no Jornal da Noite da estação de televisão SIC, Marques Mendes acredita que existe uma “janela de oportunidade” para que possa ser português o presidente do grupo que reúne os ministros das Finanças da zona euro.

Primeiro, porque Centeno “tem boa imagem no exterior”, depois, porque o próximo presidente do Eurogrupo deverá ser socialista, dado que o Partido Popular Europeu já tem uma expressão demasiado vincada nas organizações europeias.

Para Marques Mendes, o único que satisfaria estas condições seria o ministro italiano das Finanças, mas “Itália já tem muitos cargos europeus”, o que dificultaria a escolha.

Independentemente, diz que nada será decidido antes das eleições alemãs.

No entanto, Marques Mendes critica Mário Centeno, dizendo que o ministro pretende mesmo presidir ao Eurogrupo e considerando que a manifestação dessa possibilidade resulta de uma campanha de “auto-promoção”, com um âmbito “meramente interno”.

“Até é um bocadinho ridículo, estar assim a oferecer-se”, disse, acrescentando que se trata de um caso de “deslumbramento de um ministro”, que devia “ter mais humildade”.

Discordou, também, da circunstância de ter um ministro das Finanças “em part time”, acumulando com a presidência do Eurogrupo.

O comentado falou, também, sobre as eleições para a Câmara Municipal do Porto, considerando que Rui Moreira, que concorre como independente, será reeleito e que o que resta saber é se o fará com maioria absoluta.

Ler mais
Recomendadas

Rainha de Inglaterra resgatada pelo governo britânico para compensar desvalorização de património

O governo de Boris Johnson vai mesmo avançar com o resgate financeiro ao património imobiliário da rainha de Inglaterra, depois deste ter desvalorizado 590 milhões de euros, fruto da pandemia de Covid-19.

Presidenciais: Paulo Pedroso na “estrutura organizativa” da candidatura de Ana Gomes

O ex-ministro do Trabalho Paulo Pedroso vai integrar a “estrutura organizativa” da candidatura de Ana Gomes a Presidente da República, confirmou hoje a própria numa declaração à agência Lusa.

André Ventura: “PSD sozinho não vai conseguir formar governo. Nessa altura vai ligar-nos”

Em entrevista à Antena 1, o líder eleito do Chega acredita que o seu partido vai conseguir ser governo sozinho, com o CDS a desaparecer e o PSD a perder influência. Até lá, e se o PSD precisar de um parceiro de Governo, André Ventura acredita que vai receber uma chamada de Rui Rio.
Comentários