Marques Mendes garante que “grande combate” das legislativas é entre o PS e o Bloco de Esquerda

Comentador aponta debate entre António Costa e Catarina Martins como o mais decisivo, na medida em que o objetivo dos bloquistas passa por integrar o próximo governo ou influenciar as políticas do PS.

O comentador político Marques Mendes disse neste domingo, no seu espaço de opinião no “Jornal da Noite” da SIC, que o “grande combate” da campanha para as legislativas de 6 de outubro será travado entre o PS e o Bloco de Esquerda, na medida que o partido liderado por Catarina Martins “é o grande obstáculo à maioria absoluta” desejada por António Costa.

Para o antigo presidente do PSD, é esta a consequência de a direita e o centro-direita se terem “deixado acantonar”, deixando aos bloquistas a missão de lutar contra a maioria absoluta do PS. Assim sendo, Marques Mendes apontou o debate televisivo entre António Costa e Catarina Martins como mais importante do que aquele que juntará o primeiro-ministro e Rui Rio, ou o “melindroso” debate entre Rio e Assunção Cristas.

”O objetivo do Bloco de Esquerda é claramente querer ir para o Governo ou ter peso para influenciar as políticas do PS”, disse Marques Mendes, sublinhando que Catarina Martins aproveitou a entrevista à TVI para vincar a estabilidade e as contas certas como ideias fortes do partido, sendo essas “duas narrativas fundamentais em quem quer governar”.

Referindo-se às rentrées partidárias deste sábado, Marques Mendes considerou que “não tiveram grandes novidades”. Mais interessante, em sua opinião, foi a entrevista de António Costa à Lusa, na qual o primeiro-ministro anunciou que não pretende ser candidato presidencial, deixando no comentador a “convicção” de que o socialista pretenderá ter um cargo europeu após mais quatro anos de poder em Portugal.

Quanto à insistência de António Costa nas comparações com a “instabilidade e ingovernabilidade” que ocorre em Espanha, o antigo presidente do PSD sustentou que se percebe o “argumento da dramatização”, pois necessita de atrair eleitores empenhados em afastar o Bloco de Esquerda do poder.

Grande ajuda para o atual primeiro-ministro, além da sondagem do “Jornal de Notícias” que coloca o PS no limiar da maioria absoluta, foi, no entender de Marques Mendes, o artigo que José Sócrates escreveu no “Expresso”. “Pareceu feito de encomenda. Costa ganha votos e credibilidade com as críticas de José Sócrates”, frisou o comentador, qualificando o antigo primeiro-ministro socialista como “um ativo tóxico”.

Problemas para PSD, CDS e PCP

Pelo contrário, Mendes salientou que o PSD teve uma “rentrée agridoce”, na medida em que a Festa do Pontal e a Universidade de Verão realizada em Castelo de Vide passaram para segundo plano quando o partido apareceu pouco acima dos 20% na mesma sondagem. “É um verdadeiro murro no estômago. Isso mata qualquer um”, disse o comentador, apesar de ter a “intuição” de que os sociais-democratas ficarão acima dos 25% nas legislativas.

Para atingir esse patamar será necessário, segundo o antigo líder do PSD, que Rui Rio faça uma “campanha mobilizadora” e com uma “mensagem muito clara”, preocupando-se apenas com António Costa e o seu Governo e repetindo “até à exaustão” a ideia de mudança e a prioridade na redução de impostos à classe média e às pequenas e médias empresas.

Sendo essa uma preocupação de Assunção Cristas, a quem elogiou a prestação na entrevista à TVI e o programa de governo apresentado na quinta-feira, Marques Mendes também deixou um aviso aos centristas: “O CDS está num beco ainda mais difícil e complexo do que o PSD.”

Algo que também se aplica aos comunistas, apesar da avaliação positiva à entrevista de Jerónimo de Sousa ao “Expresso”. “Concorde-se ou discorde-se, ele é genuíno”, afirmou Mendes, para quem o “PCP vai esvaziar-se ainda mais” após a saída do secretário-geral, que estará a fazer as suas últimas eleições legislativas.

Recomendadas

CNE alerta que é proibido propaganda na véspera e dia de eleições

A comissão avisa que “entende-se por ‘propaganda eleitoral’ toda a atividade que vise direta ou indiretamente promover candidaturas, seja dos candidatos, dos partidos políticos, dos titulares dos seus órgãos ou seus agentes, das coligações, dos grupos de cidadãos proponentes ou de quaisquer outras pessoas, nomeadamente a publicação de textos ou imagens que exprimam ou reproduzam o conteúdo dessa atividade”.

“Lisboa estava em sentada em tanto dinheiro de impostos que nem sabia o que lhe fazer”, realça candidato da IL a Lisboa

Na última edição do programa “Primeira Pessoa, da plataforma multimédia JE TV, Bruno Horta Soares considera que é importante estancar o aumento de trabalhadores na Câmara Municipal de Lisboa e diminuir os “10 a 12 milhões em avenças e os 13 milhões em horas extraordinárias”.

Portugal concede terceira moratória a Cabo Verde para o pagamento da dívida

O anúncio foi feito esta pelo Governo que aprovou uma nova suspensão do pagamento do serviço da dívida por parte da República de Cabo Verde, relativa aos empréstimos diretos concedidos.
Comentários