Marta Temido desvaloriza afastamento de crítico do Governo das “reuniões do Infarmed”

Ministra da Saúde reduziu decisão de Manuel Carmo Gomes a “uma questão de agenda” e garantiu que encara propostas alternativas como “formas de progredir”. Epidemiologista pôs em causa a resposta “gradualista” do Governo à pandemia de Covid-19 durante a reunião no Infarmed.

Manuel de Almeida/Lusa

A ministra da Saúde desvalorizou a decisão tomada por Manuel Carmo Gomes de deixar de participar nas sessões de especialistas conhecidas por “reuniões do Infarmed”, depois de nesta terça-feira o professor de Epidemiologia da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa ter posto em causa a estratégia do Governo para travar o avanço da pandemia de Covid-19.

“Por razões da sua vida profissional optou por continuar a apoiar o grupo de conselheiros mas não realizar apresentações presenciais”, disse Marta Temido, no final da 15.ª apresentação da situação epidemiológica da Covid-19 em Portugal, respondendo a pergunta de jornalistas quanto ao afastamento de Carmo Gomes. Horas antes, o epidemiologista dissera que “tivemos um janeiro muito mau em termos de saúde pública em Portugal” e em que houve uma resposta “gradualista” que não se mostrou capaz de controlar o crescimento exponencial da pandemia.

Salientando que Manuel Carmo Gomes é membro da comissão técnica da vacinação contra a Covid-19, a ministra garantiu “não serão essas as razões” da parte do Governo para uma decisão que descreveu como “uma questão de agenda” do epidemiologista.

“Acreditamos que recomendações, sugestões e propostas alternativas são formas de progredir”, disse Marta Temido, defendendo que desde o início da pandemia o Governo tem mostrado abertura a opiniões divergentes do Ministério da Saúde e da Direção-Geral de Saúde.

Relacionadas

Testagem é “a arma principal” para combate à pandemia

“Penso que a testagem é a arma principal que devemos usar e não o confinamento”, sublinhou Manuel Carmo Gomes durante reunião do Infarmed.

Portugal regista mais 203 mortes e 2.583 casos de Covid-19

As autoridades sanitárias contabilizaram mais 15.157 pessoas recuperadas nas últimas 24 horas, elevando para 628.078 o número total de pessoas livres do vírus.

Ministra da Saúde admite que confinamento vai durar até segunda metade de março

Marta Temido disse no final da sessão do Infarmed que “quanto maior é a intensidade do confinamento mais rápida é a redução do risco efetivo de transmissão”. E revelou ter solicitado à Direção Geral de Saúde a testagem de todos aqueles que contactem com infetados da Covid-19, mesmo que sejam considerados contactos de baixo risco.
Recomendadas

OE2022: BE vai enviar ao Governo propostas de articulado de nove pontos negociais

Esta posição sobre as negociações do Orçamento do Estado para 2022 consta de uma nota divulgada pela assessoria de imprensa do BE.

Profissionais do SNS têm 17 milhões de horas extra acumuladas

De acordo com o “JN”, os médicos, enfermeiros e assistentes operacionais fizeram entre de janeiro e outubro mais de 17 milhões de horas extra, o que representa uma aumento de seis milhões em relação a 2019.

Portugal com 465 casos confirmados por Covid-19 e 9 mortes. Internamentos voltam a aumentar

Em relação à pressão sobre os hospitais, foram admitidas, nas últimas 24 horas, mais 10 pessoas em enfermaria e mais dois doentes em UCI.
Comentários