Martifer ganha contrato de 35 milhões para obras no aeroporto de Marselha

A empresa portuguesa ganhou o contrato de adjudicação – num valor global superior a 125 milhões de euros – em consórcio com a GTM SUD e a Travaux du Midi Provence, ambas empresas do grupo Vinci.

A Martifer ganhou um contrato de 35 milhões de euros para parte das obras de ampliação do aeroporto de Marselha Provence, no sul de França. A divisão francesa do grupo português, a Martifer França, “será a responsável pelo fornecimento e montagem de estrutura metálica, fachadas em vidro, clarabóias e revestimentos em chapa de alumínio”, indicou a empresa em comunicado enviado esta segunda-feira à CMVM.

A Martifer ganhou o contrato de adjudicação – num valor global superior a 125 milhões de euros – em consórcio com a GTM SUD e a Travaux du Midi Provence, ambas empresas do grupo Vinci, que detém a ANA – Aeroportos de Portugal.

O prazo previsto para a execução da obra é de 37 meses.

Em 2017, a Martifer Construção Metalomecânicas tinha ganhado um contrato de 45 milhões de euros para uma obra no aeroporto de Genebra, na Suíça, concluída no ano passado.

Em curso, a Martifer tem obras semelhantes de construção metálica na Gare ferroviária de Mons (Bélgica) ou no edifício West End Gate, em Londres, ou no Estádio de la Pais, na Costa do Marfim, que está a cargo da Mota-Engil.

Recomendadas

Banco de Portugal aplicou coimas de 1,6 milhões no terceiro trimestre

No decurso do terceiro trimestre de 2021, o supervisor bancário instaurou 56 e decidiu 44 processos de contraordenação. De um total de coimas de cerca de 1,6 milhões, 225 mil euros ficaram suspensos de execução.

CP “deve sair do perímetro orçamental do Estado” depois do saneamento da dívida

Nuno Freitas defendeu no Parlamento que retirar a CP do perímetro orçamental do Estado é importante “para que a gestão da empresa possa ser profissional, eficiente e descortinada” ou até mesmo, ao nível das congéneres europeias.

Crédito a empresas vai cair este ano face a 2020, avisa Paulo Macedo

As empresas “recorreram às linhas para alongar maturidades e por isso vão precisar menos de crédito a curto prazo”, avisou o CEO da CGD que teceu ainda críticas ao Programa Retomar. “Alguém se candidatou? Só por curiosidade”. Em alternativa defendeu o prometido “Programa Capitalizar”. Banca vai ter primeiro stress test ambiental já em 2022, anunciou.
Comentários