Máximo dos Santos: “Sou o presidente do Fundo de Resolução, não o Sherlock Holmes”

Máximo dos Santos esclarece que as operações com partes relacionadas não são proibidas, têm é de ser autorizadas pelo Fundo de Resolução. “O contrato não proíbe” vendas a partes relacionadas, afirmou Máximo dos Santos, presidente do fundo que detém 25% do Novo Banco, na comissão de Orçamento e Finanças, esta quarta-feira. O que o contrato diz é que “até pode haver vendas a partes relacionadas desde que autorizadas pelo Fundo de Resolução, o que não houve”.

Cristina Bernardo

Luís Máximo dos Santos também não tem evidência, pelos meios habituais, de negócios com partes relacionadas. O presidente do Fundo de Resolução ressalvou aos deputados, que no entanto “sou o presidente do Fundo de Resolução, não sou o Sherlock Holmes”.

O presidente do Fundo  de Resolução também foi questionado sobre se tem a certeza que na venda de ativos do Novo Banco, não estão entidades relacionadas com o Lone Star. Como se sabe essa possibilidade está impedida por contrato de venda do banco.

Máximo dos Santos esclarece que as operações com partes relacionadas não são proibidas, têm é de ser autorizadas pelo Fundo de Resolução. “O contrato não proíbe” vendas a partes relacionadas, afirmou Máximo dos Santos, presidente do fundo que detém 25% do Novo Banco, na comissão de Orçamento e Finanças, esta quarta-feira. O que o contrato diz é que “até pode haver vendas a partes relacionadas desde que autorizadas pelo Fundo de Resolução, o que não houve”.

“Não há evidência, pelos meios habituais, de que houve vendas de ativos do Novo Banco a partes relacionadas ao acionista Lone Star. Agora, sou o presidente do Fundo de Resolução, não sou o Sherlock Holmes”, disse Luís Máximo dos Santos em resposta ao deputado do PSD Alberto Fonseca.

Sobre os preços e alegados descontos, o responsável pelo FdR, explicou que os ofertantes não conhecem quais são os ativos que estão cobertos pelo CCA (mecanismo de capitalização contingente do Fundo de Resolução), isso é fundamental para que não ofereçam preços mais baixos, explicou Máximo dos Santos.

Já hoje o Ministério das Finanças veio falar da venda de ativos do Novo Banco, designadamente carteiras de imóveis e participações em empresas. O Ministério diz que “foram realizadas em condições adequadas de mercado” e “os preços obtidos corresponderam ao melhor preço que seria possível obter, em cada momento e circunstância”. Esta é a posição assumida pelo Banco de Portugal, liderado pelo ex-ministro das Finanças Mário Centeno, em resposta a um requerimento enviado pelo Bloco de Esquerda e que é citado por jornais.

Ler mais
Relacionadas

Novo Banco “foi capitalizado pelos mínimos. O BdP gostava de ter capitalizado mais”, explica presidente do Fundo de Resolução

“O Fundo de Resolução não estava em condições de conviver com o registo de imparidades que depois não tinha capital para suprir”, lembrou Máximo dos Santos. Isso explica que as imparidades registadas tenham crescido exponencialmente depois da venda do banco em 2017 à Lone Star.

“Sucursais de bancos não podem contribuir para o Fundo de Resolução porque é ilegal”, diz FdR

“À luz do direito europeu isso é ilegal”, frisou Máximo dos Santos. Respondia aos apelos do presidente do BCP, Miguel Maya, que tem defendido que as sucursais de instituições financeiras em Portugal também devem pagar para o Fundo de Resolução nacional, considerando que há atualmente uma grande desvantagem competitiva para os bancos portugueses.

Fundo de Resolução pediu à Deloitte para incluir a reestruturação que estava “sob auditoria específica”

“Pedimos auditorias específicas sobre uma reestruturação que não estavam concluídas, e por isso entendemos que fosse englobada no âmbito da auditoria que a Deloitte fez”, disse o presidente do Fundo de Resolução. Sem o dizer, Máximo dos Santos estaria a falar da reestruturação do crédito da empresa do presidente do Benfica. O Fundo de Resolução pediu auditoria específica a transações do banco com a Promovalor.
Recomendadas

Deutsche Bank estima que PIB mundial volte a níveis pré-Covid em meados de 2021

Apesar do tom otimista, o banco alemão também mostra receios sobre as segundas vagas do coronavírus nos Estados Unidos e na Europa, que estão a aumentar a incerteza sobre as perspetivas económicas.
Braga de Macedo, Nuno Cassola

Jorge Braga de Macedo e Nuno Cassola: “Alimentou-se a ilusão que o sistema bancário era sólido”

“Por onde vai a banca em Portugal?” é o novo livro de Jorge Braga de Macedo, Nuno Cassola e Samuel da Rocha Lopes, editado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos . Os dois primeiros falaram ao Jornal Económico, em entrevista, sobre o passado, a gestão, a supervisão e o futuro do setor.

Liberty cria ecossistema na ‘cloud’ pública

Construir um seguro à medida de cada um e uma oferta personalizável é o objetivo da Liberty Seguros com um novo ecossistema, afirma Alexandre Ramos, da área tecnológica da companhia.
Comentários