Media: Nicolau Santos deixa o “Expresso”

O jornalista manter-se-á como cronista do jornal, no seu espaço de opinião no caderno de Economia, no site e no “Expresso Diário”, bem como na “SIC Notícias”, como comentador e como moderador do “Expresso da Meia Noite”.

 A Impresa anunciou hoje que Nicolau Santos, diretor-adjunto do “Expreso”, vai deixar o jornal no final do ano, mas que vai manter-se como cronista na publicação e comentador na “SIC Notícias”.

Em comunicado, o grupo adianta que “a decisão foi tomada pelo próprio e comunicada ontem [quinta-feira] à administração”.

Nicolau Santos manter-se-á como cronista do jornal, no seu espaço de opinião no caderno de Economia, no site e no “Expresso Diário”, bem como na “SIC Notícias”, como comentador e como moderador do “Expresso da Meia Noite”.

O “Expresso” e a Impresa “agradecem todo o empenho e dedicação de Nicolau Santos, que esteve quase 20 anos na redação e depois na direção do Expresso e manifestam a sua satisfação em continuar a contar com a visão e a opinião forte de Nicolau Santos nas marcas de informação do grupo”.

O Jornal Económico noticiou hoje que a Impresa Publishing, que edita o “Expresso” e a “Blitz”, quer reduzir os custos em quatro milhões de euros em 2018, já depois de concretizada a venda das revistas do grupo ao empresário Luís Delgado.

O grupo liderado por Francisco Pedro Balsemão está a negociar a venda de 12 revistas, incluindo a “Visão”, a “Exame” e a “Caras”. O processo deverá estar concluído no primeiro dia útil de 2018 e deverá implicar a saída de entre 110 a 115 trabalhadores para a empresa de Luís Delgado.

A comissão de trabalhadores da Impresa critica o facto de, a 15 dias da transferência de ativos, ainda não existir informação sobre os trabalhadores que ficam no grupo e quais os que serão transferidos.

Este processo de alienação das revistas insere-se num processo mais vasto de reestruturação, que continuará em 2018. Num comunicado interno, a que o Jornal Económico teve acesso, a comissão de trabalhadores da Impresa diz que a administração do grupo definiu como “imperativo obter uma poupança de 4 milhões de euros, com vista a assegurar a rentabilidade da publicação “Expresso” e marcas adjacentes já a partir de 2018”.

Fontes do grupo de media contactadas pelo Jornal Económico apontaram a saída de 10 jornalistas do jornal “Expresso” e 30 trabalhadores de outros departamentos. Referiram que foi aberto um programa de rescisões e que os serviços da empresa contactaram directamente jornalistas para aderirem. Um comunicado da comissão de trabalhadores a que o Jornal Económico teve acesso confirma que “a administração da Impresa Publishing continua a abordar trabalhadores incitando-os a rescindir o seu contrato com a empresa e pressionando-os à tomada de uma decisão”.

As mesmas fontes referiram que os 30 trabalhadores não-jornalistas deveriam ser alvo de despedimento coletivo.

Segundo informação que a comissão de trabalhadores atribui à administração da Impresa, a reestruturação em curso não será concretizada “apenas com pessoal”, mas também “em outras áreas, tais como rendas, fornecedores, etc.”.

Ler mais
Relacionadas

Impresa quer cortar 4 milhões em custos no próximo ano

Próxima de finalizar a venda de 12 revistas a Luís Delgado, o grupo Impresa vai continuar a reduzir custos, em 2018, através de despedimento coletivo.

Balsemão quer ERC a analisar novamente compra da TVI pela Altice

Francisco Pedro Balsemão diz que chegou a falar com Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa sobre a compra, mas que “nada foi desencadeado”.

Ex-jornalista Luís Delgado perto de fechar compra da revista ‘Visão’

O também ex-presidente-executivo da Lusomundo pretende adquirir a publicação semanal e outros ativos, como a Exame, Exame Informática, Jornal de Letras e Activa, segundo o ‘Público’.
Recomendadas

Greve na Transtejo/Soflusa desconvocada

A paralisação, agendada para a partir de terça-feira, foi hoje suspensa, na sequência da subscrição de um protocolo negocial entre a administração da empresa e os sindicatos.

Joe Berardo pondera chamar Vítor Constâncio como testemunha contra banca

O empresário e coleccionador de arte português José Berardo está a estudar a hipótese de chamar o antigo governador do Banco de Portugal (BdP) Vítor Constâncio como testemunha num processo movido pelos bancos, revela o “Público” esta segunda-feira. Em causa está o processo judicial para recuperar 962 milhões de euros. A informação foi transmitida ao […]

Crise em Angola obriga empresários a recrutarem mais talentos angolanos

Estudo divulgado esta segunda-feira revela que as empresas angolanas, em 2018, recrutaram mais licenciados e bacharéis para trabalhar na área tecnológica, com maior domínio de HTML, Java, SQL, Visual Basic e Visual Basic Net.
Comentários