Melhor nível de vida exige crescimento da produtividade

A adaptação de empresários e trabalhadores aos novos desafios da digitalização das atividades económicas continua a ser insuficiente, tal como o investimento, outra condição essencial para o crescimento da produtividade.

A produtividade traduz o nível de eficiência com que a sociedade portuguesa aplica a sua riqueza.

O crescimento da produtividade representa uma aplicação mais produtiva dos recursos e é necessário para melhorar o nível de vida material da população portuguesa.

Para haver um crescimento mais rápido da produtividade é necessário actuar sobre quatro grupos de determinantes, todos eles essenciais para se conseguir que os portugueses alcancem o nível de vida dos povos do centro da Europa.

São eles os recursos humanos, o investimento, a inovação e investigação aplicadas aos mercados, e a concorrência e o ambiente de negócios com que as empresas se defrontam.

A qualificação dos recursos humanos é uma aposta que a sociedade portuguesa está a fazer há várias décadas e que deve continuar pois ainda há uma diferença significativa face aos países mais desenvolvidos, especialmente entre a população mais velha.

Um sinal de esperança veio do aumento substancial do nível educacional dos mais jovens, mas ainda é necessário melhorar a sua adaptação às necessidades dos empregadores.

Da mesma forma, continua insuficiente a aposta nas qualificações e na formação profissional e na adaptação de empresários e trabalhadores aos novos desafios da crescente digitalização das actividades económicas.

O aumento do investimento é outra condição necessária para o crescimento da produtividade dada a tendência de redução e o baixo nível de capital por trabalhador na economia portuguesa.

A sua concretização requer empresas maiores e mais presentes no exterior, obrigando a uma diversificação das exportações para mercados fora da Europa com crescimento mais elevado.

O terceiro determinante é a aposta na investigação e na inovação dos processos produtivos e dos bens e serviços disponibilizados à população portuguesa.

Os esforços realizados neste sentido nas últimas décadas pela sociedade portuguesa são meritórios, mas pecaram por não estarem suficientemente dirigidos ao mercado e orientados para a difusão do conhecimento e transferência de tecnologias dentro de cada sector.

Finalmente, a melhor regulação dos mercados é essencial para uma afectação dos recursos que conduza ao maior crescimento da produtividade.

Designadamente, a eliminação da dupla segmentação do mercado de trabalho, o maior nível de concorrência nos mercados de bens e serviços e a redução da complexidade e dos custos administrativos no conjunto da legislação, no funcionamento da justiça e no sistema fiscal.

A avaliação das políticas públicas que incidem sobre estes quatro determinantes é a principal preocupação do Conselho para a Produtividade (CPP), nomeadamente pela resistência que ainda existe em Portugal relativamente à implementação de reformas estruturais.

Será nesse sentido que irá o esforço do CPP ao longo do próximo ano.

Recomendadas

Jimmy Sousa, Borg Gomes e McEnroe Matias

No London Eye as filas são de duas horas e meia, menos tempo que eu passei a votar. Digamos que chamar voto em mobilidade a algo que não se mexe é o eufemismo do ano.

O RSI não é uma esmola, é um elevador social (ou devia ser)

Os principais argumentos usados contra o RSI são relativamente fáceis de desmontar: a maioria das pessoas que se encontra em situação de pobreza não consegue sair dessa situação por falta de algum tipo de recursos, normalmente, dinheiro.

Portugal precisa de mais

Fará sentido, nesta hora, e em face das alternativas apresentadas, fragilizarmos o actual e futuro Presidente? Penso que não. Mas importa continuar a construir a mudança real já nas eleições autárquicas e depois nas legislativas.
Comentários