Melhor nível de vida exige crescimento da produtividade

A adaptação de empresários e trabalhadores aos novos desafios da digitalização das atividades económicas continua a ser insuficiente, tal como o investimento, outra condição essencial para o crescimento da produtividade.

A produtividade traduz o nível de eficiência com que a sociedade portuguesa aplica a sua riqueza.

O crescimento da produtividade representa uma aplicação mais produtiva dos recursos e é necessário para melhorar o nível de vida material da população portuguesa.

Para haver um crescimento mais rápido da produtividade é necessário actuar sobre quatro grupos de determinantes, todos eles essenciais para se conseguir que os portugueses alcancem o nível de vida dos povos do centro da Europa.

São eles os recursos humanos, o investimento, a inovação e investigação aplicadas aos mercados, e a concorrência e o ambiente de negócios com que as empresas se defrontam.

A qualificação dos recursos humanos é uma aposta que a sociedade portuguesa está a fazer há várias décadas e que deve continuar pois ainda há uma diferença significativa face aos países mais desenvolvidos, especialmente entre a população mais velha.

Um sinal de esperança veio do aumento substancial do nível educacional dos mais jovens, mas ainda é necessário melhorar a sua adaptação às necessidades dos empregadores.

Da mesma forma, continua insuficiente a aposta nas qualificações e na formação profissional e na adaptação de empresários e trabalhadores aos novos desafios da crescente digitalização das actividades económicas.

O aumento do investimento é outra condição necessária para o crescimento da produtividade dada a tendência de redução e o baixo nível de capital por trabalhador na economia portuguesa.

A sua concretização requer empresas maiores e mais presentes no exterior, obrigando a uma diversificação das exportações para mercados fora da Europa com crescimento mais elevado.

O terceiro determinante é a aposta na investigação e na inovação dos processos produtivos e dos bens e serviços disponibilizados à população portuguesa.

Os esforços realizados neste sentido nas últimas décadas pela sociedade portuguesa são meritórios, mas pecaram por não estarem suficientemente dirigidos ao mercado e orientados para a difusão do conhecimento e transferência de tecnologias dentro de cada sector.

Finalmente, a melhor regulação dos mercados é essencial para uma afectação dos recursos que conduza ao maior crescimento da produtividade.

Designadamente, a eliminação da dupla segmentação do mercado de trabalho, o maior nível de concorrência nos mercados de bens e serviços e a redução da complexidade e dos custos administrativos no conjunto da legislação, no funcionamento da justiça e no sistema fiscal.

A avaliação das políticas públicas que incidem sobre estes quatro determinantes é a principal preocupação do Conselho para a Produtividade (CPP), nomeadamente pela resistência que ainda existe em Portugal relativamente à implementação de reformas estruturais.

Será nesse sentido que irá o esforço do CPP ao longo do próximo ano.

Recomendadas

O príncipe e a boa gestão

O marketing transforma muita coisa, mas nem todos os banhos de publicidade podem aproximar figuras de bastidor disto: há os que nascem para o campo, para o palco, para a história, e há os que ficam a ver. Depois de 12 anos na administração, Rui foi agora convidado por Luís Filipe Vieira para seu vice-Presidente, e é difícil imaginar melhor continuação para esta epopeia.

A retoma em K

Em Portugal a retoma em K significa que os trabalhadores do sector privado, esquecidos por este orçamento, estarão no vértice descendente do K.

O mal menor

Nenhuma solução é perfeita ou indiscutível. Mas este vírus não se vai embora sozinho, e ainda vai demorar a termos uma vacina eficaz. Até lá, vamos todos perder qualidade de vida.
Comentários