Memória

Três casos, os de Pedro Silva Pereira, Santana Lopes e Miguel Relvas, mostram como os partidos funcionam com descaro, desprezando a inteligência do país.

1. Todos estaremos lembrados da forma como José Sócrates saiu do PS. Com António Costa algures em oportuna viagem, ensaiaram-se umas pequenas críticas à vergonha conhecida – num folhetim em que participaram o patriarca Carlos César e até o afilhado João Galamba. E o antigo líder, ‘indignado’ e sem querer pesar ao partido que sempre amou apesar de ter começado como militante da JSD lá na terra, bateu com a porta.

Ultrapassou-se assim a figura da expulsão, oportunamente lembrada por Manuel Maria Carrilho e Ana Gomes, que me lembre os únicos socialistas com coragem para falarem publicamente dessa inevitabilidade a considerar. O PS retirou um fardo de cima, com habilidade. Mas, em contrapartida, está a tratar muito bem dos amigos de Sócrates. O mais dedicado chegou agora a vice-presidente do Parlamento Europeu.

Claro que teve de fazer aquelas figuras tristes durante a última campanha eleitoral europeia, na qual foi bem escondido dos eleitores por motivos de decoro e vergonha, mas valeu a pena. Pedro Silva Pereira está de parabéns! Portugal continua a ser uma coutada dos diretórios dos partidos. Fazem tudo e  à vista de todos. A transparência é total. Quem disser o contrário mente.

2. Santana Lopes pôs-se a explicar as listas de deputados a apresentar pelo Aliança, e disse: “Não temos preconceitos etários. Por exemplo, no Porto, o cabeça de lista tem 35 anos e o de Lisboa, que sou eu, tem 63 anos. O de Setúbal tem 53 anos. Têm de ser é pessoas capazes e com a vida profissional própria, que não dependam da vida política para as suas famílias viverem. Isso não queremos”.

É de esfregar os olhos várias vezes! Então Santana Lopes, que tem passado a vida na política, em Lisboa, na Figueira da Foz, na Misericórdia, no governo, no qual percorreu vários cargos até primeiro-ministro por alguns dias, acha mesmo que tem um percurso profissional próprio? Onde? Quando? Estará a contar com o cargo de presidente do Sporting (escolhido e remunerado por um conjunto de empresários, com José Roquette à cabeça)? Continua a ser surpreendente a quantidade de gente na política que fala aos seus compatriotas como se eles não tivessem memória.

3. Chamar Miguel Relvas para ele dissertar sobre o futuro do PSD, sobretudo nas estruturas locais do partido, seria equiparável ao Banco de Portugal resolver convocar Oliveira e Costa para sessões públicas onde se abordasse a recuperação da banca ou as Casas do Benfica chamarem Vale e Azevedo para discutir a estratégia do clube no pós João Félix.

Pois aconteceu mais uma vez, agora em Ourém. E o notável influencer laranja, expulso do governo de Passos Coelho e desde aí em roteiro para tentar abrir caminho a um novo líder que lhe julgue ficar a dever a função, lá foi debitar as palavras que, pensa ele, hão-de permitir o regresso do velho PSD dos negócios e recomendar os necessários facilitadores.

É extraordinário e será a política. Mas é a fação descontente do PSD contra Rui Rio a mostrar que não aprendeu nada com o passado nem faz a mínima ideia da opinião que, fora dos círculos partidários, a generalidade dos portugueses têm sobre o passado político de Miguel Relvas. Mais do que falta de vergonha é autismo puro.

Recomendadas

A porta que Marcelo abriu

Marcelo reconciliou os portugueses com a Presidência, mas ao mesmo tempo lançou bem fundo as sementes do populismo. Depois de Marcelo, qualquer celebridade com o dom de seduzir as massas poderá aspirar à Presidência.

Os apitos a rebate

Não há, hoje, como vemos pelo ‘Luanda Leaks’, mas já podíamos ter visto na derrocada da banca ou na tragédia da antiga PT, um verdadeiro combate ao crime se se quiser apenas usar os meios tradicionais da investigação.

Afinal Trump é ou não é um isolacionista?

Trump abandonou alguns temas muito caros aos liberais, mas a sua administração está comprometida na competição geopolítica com os seus diretos competidores, e a sua grande estratégia permanece consistentemente hegemónica.
Comentários