Menos de 2% das famílias numerosas pediram redução do IVA da eletricidade

Mais de um mês depois da entrada em vigor da redução adicional da taxa de IVA de 13% para as famílias numerosas, há menos de 2500 pedidos submetidos. A Deco reclama que o processo deve ser automático.

Mais de um mês depois da entrada em vigor da redução adicional da taxa de IVA de 13% para as famílias numerosas, há menos de 2500 pedidos submetidos, o que corresponde a menos de 2% do total de famílias numerosas em Portugal, noticia este domingo o “Diário de Notícias” e o “Dinheiro Vivo”.

Em causa está a descida da taxa de IVA da eletricidade para 13% na componente do consumo em lares com uma potência contratada de até 6,9 kVA, que está em vigor, desde 1 de dezembro, para os primeiros 100 kWh gastos mensalmente pelas famílias. A partir de 1 de março, essa redução foi alargada aos agregados com três ou mais filhos, com a redução da taxa de IVA a aplicar-se nos primeiros 150 kWh consumidos.

Para ter acesso a essa redução adicional, as famílias numerosas têm de fazer prova junto do comercializador de eletricidade da sua condição de agregado alargado. A Associação de Defesa do Consumidor (Deco) reclama, no entanto, que o processo deve ser automático. Já a Associação Portuguesa de Famílias Numerosas pede que seja tido em conta o consumo per capita e potências contratadas mais elevadas.

Recomendadas

Meses de Verão vão “mitigar os prejuízos” dos sector das viagens, mas recuperação vai demorar, alertam agências de viagens

Segundo o vice-presidente da ssociação de Sócios Gerentes das Agências de Viagens e Turismo “o Algarve continuará a ser a região de eleição e os turistas britânicos vão ter muito peso no aumento do turismo no país”.

Passageiros nos voos da TAP entre Portugal e o Reino Unido mais que duplicam

Em comunicado a TAP aponta que “a entrada de Portugal na “green list” de destinos de Inglaterra teve um impacto positivo na procura de voos entre o Reino Unido e Portugal.

Venda das barragens da EDP: Movimento exige a Finanças “arquivamento imediato” de inquérito a funcionário da AT

O Movimento Cultural da Terra de Miranda (MCTM) diz “não haver razões” que justifiquem “processo de inquérito” a membro do Movimento, ex-dirigente da AT, devido a nota jurídica sobre o impacto fiscal da venda das barragens da EDP no Rio Douro à Engie. Exige um pedido de desculpas ao MCTM e dá conta que documento foi elaborado  a pedido do Ministro do Ambiente, numa reunião que realizou com este Movimento, em 2 de setembro de 2020.
Comentários