Mercado alemão da Saúde é aliciante mas fortemente concorrencial

O Health Cluster Portugal e a AICEP organizaram uma conferência para dar a mostrar o (gigantesco) setor germânico. O potencial é enorme, mas a concorrência pode ser um entrave.

O mercado alemão do setor da Saúde responde anualmente por cerca de 11,3% do PIB (376 mil milhões de euros), tem uma forte apetência pela inovação e pela investigação e desenvolvimento e, como em Portugal, a sociedade alemã está a envelhecer: em 2035 haverá 24 milhões de alemães com mais de 65 anos – e cerca de quatro milhões dependentes de cuidados médicos.

Este é lado bom do mercado, aquele que permite perspetivar um forte crescimento da procura e um desenvolvimento exponencial nos próximos anos. Em Portugal, as exportações em Saúde atingiram os 694 milhões de euros no primeiro semestre de 2019, um crescimento de 7,51% quando comparado com igual período do ano anterior (dados do Instituto Nacional de Estatística), o que é não só um ritmo superior ao crescimento das exportações portuguesas no primeiro semestre (2,9%), como revelam um enorme potencial de crescimento.

“Este potencial é bem acima do que se verifica nos setores tradicionais”, disse ao JE Miguel Crespo, diretor em Berlim, da AICEP Portugal Global, o que determinou uma atenção especial do Health Cluster Portugal (HCP) – nomeadamente no que tem a ver com o poderoso mercado alemão.

O interesse tornar-se claro quando “se sabe que o setor da Saúde na Alemanha pesa mais 11% na criação da riqueza naquele país”, e a organização, por parte do HCP, de um colóquio sobre a matéria em Matosinhos foi forma de dar resposta, e informação, os mercado.

O problema é que há um lado menos bom do mercado: a concorrência é feroz, uma vez que praticamente todos os gigantes empresariais ligados à Saúde – e não apenas as farmacêuticas – estão na Alemanha, para além, evidentemente, dos próprios gigantes ‘caseiros’.

As relações setoriais entre Portugal e a Alemanha não estão a passar pelo melhor dos momentos, como disse Luís Soares, da HCP, para quem a Alemanha precisa de conhecer melhor as principais ‘skills’ do setor nacional. Inovação, investigação e desenvolvimento, eficácia da indústria e alta qualificação dos colaboradores, são alguns dos pilares que importa reter – e que são necessários e suficientes para ‘seduzir’ os investidores e empresários germânicos.

Porquê a Alemanha? Para além dos números, porque áreas como os cuidados de saúde, a farmacologia, os instrumentos médicos, a investigação e desenvolvimento, são aquelas em que, como disse Marcus Schmidt, diretor do Germany Trade & Inv.

Um pequeno senão, sempre o mesmo: a concorrência, como revelou Frank Watenberg, da IQVIA (multinacional que atende às indústrias combinadas de tecnologia da informação em saúde e pesquisa clínica), que chamou a atenção para que o mercado da Saúde alemão é muito competitivo – e espera que a concorrência tenha uma proposta de valor que seja de facto atrativa. “É um mercado cada vez mais difícil, mas que ainda tem nichos que podem ser interessantes”, referiu.

O setor da Saúde em Portugal representa um volume de negócios anual na ordem dos 30 mil milhões de euros e um valor acrescentado bruto de cerca de nove mil milhões, envolvendo perto de 90 mil empresas e empregando quase 300 mil pessoas.

Mas o HCP – que assinou com o Governo um pacto de competitividade e internacionalização (como vários outros setores) – tem como um dos seus objetivos estratégicos até 2025 ultrapassar os 2,5 mil milhões de euros de exportações em saúde e triplicar o valor dos ensaios clínicos realizados em Portugal, de 50 para 150 milhões de euros, e aumentar o número de doutorados a trabalhar em empresas da Saúde, passando de 250 para 750.

Entre os objetivos definidos nesta parceria contam-se ainda estimular a capacidade concorrencial entre as empresas do setor e antecipar e preparar a evolução das necessidades da indústria, designadamente em termos de competências e empregos.

Ler mais
Recomendadas

Conselho Disciplinar da Ordem aprecia na terça-feira cinco processos contra médico de Setúbal

O presidente do Conselho Disciplinar do Sul da Ordem dos Médicos, Carlos Pereira Alves, revelou este sábado que o órgão a que preside vai apreciar, na terça-feira, dia 22 de outubro, os cinco processos pendentes de queixas sobre o médico de Setúbal Artur Carvalho.

Mais de 1.070 médicos foram alvo de processos disciplinares em 2018

Mais de 1.070 processos disciplinares a médicos foram abertos no ano passado pelos conselhos disciplinares da Ordem, tendo sido condenados 45, segundo dados hoje divulgados.

Urgência pediátrica do Hospital Garcia de Orta encerra no fim de semana

Para minimizar os constrangimentos à população, o hospital do distrito de Setúbal articulou-se com o Agrupamento de Centros de Saúde de Almada e Seixal para reforçarem o atendimento em alguns cuidados de saúde primários dos dois concelhos.
Comentários